Concorrência: Telegram ganha novas funções

SalvadorNetoComunicação-mídiassociais-redessociais-marketing-telegramConcorrente do WhatsApp, o aplicativo de mensagens instantâneas Telegram liberou uma nova atualização para Android. Com foco na privacidade do usuário, a plataforma vem disponibilizando funções para reforçar essa preocupação.

Além da melhoria na interface de bloqueio, os usuários podem deletar antigas imagens de perfil. Outra mudança é que, a partir de agora, é possível fazer download de arquivos de mídia em segundo plano.

Com o update, a entrega de mensagens está garantida mesmo quando o aplicativo for encerrado acidentalmente. Ou seja, os uploads de arquivos que tenham sido interrompidos podem ser reiniciados a qualquer momento, evitando que o processo tenha que ser repetido. As mudanças visam aperfeiçoar o desempenho da plataforma em dispositivos Android.

Do Comunique-se

Assessoria de Imprensa: Por que investir, o que esperar?

Credibilidade e profissionalismo: ganhos com assessoria de imprensa profissional

Credibilidade e profissionalismo: ganhos com assessoria de imprensa profissional

Pode parecer estranho falar do tema assessoria de imprensa em tempos de alta tecnologia em que as notícias são, inclusive, compartilhadas ao vivo por pessoas comuns via celulares, tablets e outros, utilizando as mais diversas mídias sociais existentes como YouTube, WhatsApp, Facebook, etc. Mas o fato é que ainda hoje muitas, mas muitas empresas mesmo e de todos os portes e segmentos do mercado, não enxergam a importância de contar com um serviço altamente especializado e profissional no trato da informação, e principalmente, na mediação com as mais diversas mídias.

Recentemente os grandes jornais do país anunciaram um grande movimento comum de sobrevivência ante os novos tempos, juntando forças para a busca de anunciantes, tanto para meios tradicionais como os impressos, quanto para os sites e blogs, mídias sociais de cada um deles. Outro movimento, e este já vem de alguns anos, é o corte de pessoal das redações, os colegas jornalistas. Hoje é perceptível a redução dos profissionais que vão às ruas em busca da notícia, da apuração, e mais que isso, seus textos além de serem mais curtos diante dos projetos gráficos mais enxutos, são utilizados em vários meios de comunicação dos grandes grupos de mídia.

Portanto é mais do que presente a necessidade de uma assessoria de imprensa ao lado dos diretores, gerentes e gestores de grandes grupos, conglomerados, grandes, médias e até pequenas empresas que desejam atingir nichos específicos do mercado. Você pode questionar então: mas para quê contratar este serviço já que as coisas estão mais rápidas, os compartilhamentos são mais ágeis? Simples: porque o tratamento da informação, a análise e diagnósticos dos movimentos do mercado, o olhar atento às oportunidades de virar notícia, e fundamentalmente, a produção de conteúdo jornalístico de bom nivel para todas, disse todas, as mídias existentes, é essencial para garantir espaços generosos nos noticiários. Uma publicidade barata porque editorial, e não via propaganda.

A assessoria de imprensa hoje é garantia de gestão eficaz da imagem dos negócios, da empresa, das personalidades, dos projetos, porque também vira gestora dos conteúdos e relacionamentos nas mídias sociais. Além do planejamento, execução e gestão do conteúdo das notícias postadas nas páginas do Facebook, Linkedyn, Twitter, entre outras mídias sociais, o controle do que é publicado, as respostas, as promoções, os lançamentos de produtos, e até o atendimento ao cliente/consumidor – antigos SAC – podem e devem ser cuidados por uma assessoria capaz, experiente e moderna. No mundo atual elas atuam como gestoras ainda mais especialistas do que antes, quando somente a mediação com jornalistas das redações já bastava para colher bons frutos para empresas e negócios.

O que esperar ao ter uma assessoria de imprensa total? Ótimos resultados, manutenção de relacionamentos especiais com imprensa tradicional, moderna, sociedade civil, organizações sociais e governamentais, mostrando alto profissionalismo e cuidado com seus produtos, negócios, e futuro! Invista em assessoria de imprensa, o seu retorno é garantido em curto prazo.

* Escrito por Salvador Neto, consultor estratégico em comunicação, planejamento e gestão de comunicação, marketing, assessoria de imprensa, mídias sociais e conteúdo. Tem mais de 20 anos de serviços prestados em assessoria de imprensa em vários segmentos.

Boas Ideias: Supermercado francês vende alimentos “deformados” com 30% de desconto!

SalvadorNetoComunicação-marketing-vendas-desperdício-alimentos-ideiasinovadorasNa luta contra o desperdício de alimentos, a Intermarchè, terceira maior rede de supermercados francesa, resolveu colocar às vendas os produtos rejeitados pelos produtores por má formação.

As frutas e legumes que eram jogadas fora pelos produtores passaram a ser compradas pelo supermercado e colocadas à venda com 30% de desconto, em uma área separada do mercado. Para rebater a rejeição imediata aos vegetais defeituosos, passaram a distribuir sopas e sucos feitos com esses produtos, para mostrar que eram tão bons quanto os bonitos e viçosos.

O resultado veio nos números. As lojas passaram a vender, em média, 1,2 toneladas de vegetais por dia e contaram com um aumento de 24% na circulação de clientes.

Do Ig Economia

Guia para ONGs: Instituto Walmart lança publicação

SalvadorNetoComunicação-ONGs-guia-publicação-walmart-marketing-publicidade-propagandaO Instituto Walmart lança, em parceria com o SESC Mesa Brasil, o Guia para Gestão de Organizações Sociais de Base Comunitária. O objetivo do material é apoiar a formação de pessoas e organizações que atuam em comunidades. A publicação é um instrumento pedagógico dividido em cinco capítulos compostos por metodologias, orientações, dicas e sugestões.

No primeiro módulo, o foco é modelo de gestão e planejamento, trazendo conteúdos sobre a melhor forma de descobrir o formato de gestão adequado para cada organização e a importância do planejamento para qualquer ação e atividade. O módulo dois tem como proposta levar aos integrantes das organizações de base elementos essenciais sobre o gerenciamento de projetos.

O terceiro capítulo trata da elaboração de relatórios e documentação, destacando a importância de ter registros e organizar as memórias dos projetos. Prestação de contas é o tema do módulo quatro, que traz orientações e soluções para que essa atividade seja tratada com simplicidade. O último capítulo trata de comunicação e divulgação, temas bastante importantes para o bom desempenho das organizações de base.

O material foi originado no Programa Bombando Cidadania, primeira experiência de desenvolvimento local do Instituto Walmart, e posteriormente aprofundado para as organizações que participam da Caravana Instituto Walmart. Desde 2011, o programa percorreu dez capitais, envolvendo mais de 500 instituições nos encontros presenciais, que discutiam de forma lúdica e interativa seus processos internos e desenvolvimento organizacional.
A publicação estará disponível no site do Instituto Walmart a partir de amanhã, dia 28/07/2014. Para mais informações sobre acessewww.iwm.org.br.

Porque sua marca nunca será como a Apple? 7 razões respondem!

apple-iphone-stevejobs-salvadornetocomunicaçãoVocê pode estar suando a sua camisa para fazer a sua empresa acontecer e se diferenciar do mercado. Mas, não conseguirá revolucionar nada. Mais valiosa, admirada e também odiada marca do mundo, com mais de 100 bilhões de dólares em receitas anuais e um aumento de 66% nas vendas líquidas no ano passado.

E difícil até mesmo para os defensores fervorosos do PC não admitirem que estamos diante de uma empresa fora do comum. A Apple arrecadou 50% dos lucros da venda de telefonia de celular no mundo, enquanto tinha apenas 4% das vendas. Essa é uma ótima notícia, não?

Depende. A má notícia é que para a maioria das empresas e muito provavelmente isso sirva para a sua, puxar o exemplo da maçã é tão possível quanto ganhar na mega-sena. Duvida? Então aí vão algumas razões pelas quais a sua empresa possivelmente não vai conseguir criar uma marca tão magnífica quanto a Apple.

#1. O seu produto não é sensacional
Diga-nos se o seu produto ou serviço é realmente melhor do que ele poderia ser – no mundo dos sonhos? A sua empresa está altamente comprometida com a qualidade, inovação, design e simplicidade – um caminho que a Apple sempre trilhou?

O que você e a sua empresa fazem é realmente bom o suficiente, ou é apenas bom, ou “da pro gasto”? A marca mais valiosa do mundo não pensa assim. Se a sua empresa quer ser como a Apple, comece com um compromisso de produzir o melhor produto ou serviço que as pessoas podem imaginar. Não se contente com qualquer produto, ou qualquer solução.

Não dê nada ao mercado que não esteja perfeito. O seu produto veio revolucionar o mercado? O seu produto veio revolucionar o mercado?

#2. Você não se importa suficientemente com seus clientes
As marcas mais bem sucedidas do mundo não se tornam bem sucedidas sem uma profunda dedicação e doação às necessidades dos seus clientes. O foco da Apple no cliente é lendário. É só gastar uns 5 minutos dentro de uma Apple Store  que você vai entender do que estou falando. Aliás, esse deveria ser um exercício obrigatório para todo o varejista entender como deve tratar seus clientes.

Mas, se você não sabe do que estamos falando, aqui vão alguns exemplos: Funcionários simpáticos e informados sempre dispostos a ajudar, cumprimentando os clientes no momento em que estes entram nas lojas; As compras vêm até você. Seu novo iPhone, iPad, Mac será definido exatamente da maneira que você quiser na loja, por uma pessoa simpática, que realmente se importa que aquele produto funcione maravilhosamente bem pra você;

Se você tiver um problema ou dúvida, o Genius Bar está disponível à sua conveniência – uma melhoria enorme sobre o frustrante serviço de suporte técnico oferecido por 99,9% das empresas do mundo todo. Não me admira que as lojas da Apple tenham em média 18 mil visitantes em média por semana e arrecadem 10 vezes mais do que outros varejistas de sucesso.

Se você está seriamente comprometido em elevar a sua marca ao padrão Apple, você precisa ter uma página no seu manual de treinamento:

Abordagem de clientes com uma recepção personalizada e quente.

Probe (sonde) educadamente para atender todas as necessidades dos clientes.

Present (apresente) uma solução para o cliente levar para casa hoje.

Listen (escute) para resolver quaisquer problemas ou preocupações.

End (finalize) com um adeus afeiçoado e um convite para voltar.

Se todas as empresas do mundo adotarem esse tipo de estratégia, certamente alcançaremos a paz mundial.

#3. A sua empresa não é bonita o suficiente
Sejamos honestos. Pessoas bonitas sempre aparecem muito mais do que os não tão bonitos. E isso vale para tudo: sites, produtos, carros, casas, etc. Um dos mais notáveis focos da Apple é a sua estratégia de design impecável. Seus produtos, lojas, sites, anúncios, embalagens de mercadorias – até mesmo o sistema operacional – é milhares de degraus mais bonitos do que o melhor concorrente depois dela.

E a sua empresa? Se você não dedica esforço substancial e talento para projetar um produto que não apenas funciona muito bem, como também atende as necessidades dos clientes – e é bonito – então você está perdendo uma grande oportunidade de aprender com a Apple e se distanciar dos concorrentes.

A sua loja é tão atraente quanto a Apple Store? A sua loja é tão atraente quanto a Apple Store?

#4. A sua empresa não diz não às coisas
Em 1997, Steve Jobs sentou-se na conferência de desenvolvimento da Apple, respondeu às perguntas da audiência e disse a famosa frase: “decidir o que não fazer é tão importante quanto decidir o que fazer”. Pouco depois disso, Jobs reduziu os produtos da Apple que totalizavam 40 para apenas 4.

Esse tipo de foco – embora difícil de ser alcançado – é fundamental para colocar o destino da Apple de pavoroso, para impressionante, uma vez que naquela época a Apple estava à beira da falência. Foco exige imensa disciplina, bem como grande clareza e respeito ao usuário final. O foco exige que você renuncie aos projetos brilhantes, tendências, desafios competitivos e também ao seu desejo de espalhar sucesso o mais longe possível. Faça do “menos é mais” a sua religião.

A sua marca nunca será como a Apple se a sua empresa não aprender a se concentrar no que importa para os consumidores acima de tudo.

#5. Você não desafia a mesmice
Vamos parar e refletir por um instante. É muito fácil parar e criticar a Apple, principalmente para os invejosos. Para começar, eles cobram duas ou três vezes mais caro por seus produtos do que o concorrente e estão notoriamente fora das mídias sociais (com exceção dos fanboys que inundam as redes sempre). Além disso, temos também a personalidade excêntrica de Steve Jobs, que mesmo depois de morto ainda dita os rumos da companhia.

Mas, Jobs tinha culhões. Steve foi um homem disposto e até impulsionado a assumir riscos. E não apenas riscos normais, mas grandes riscos. E isso não tem a ver apenas com a emoção pelos riscos, mas sim por que ele tinha um desejo insaciável de fazer as coisas melhor, além de uma confiança inabalável em sua própria intuição.

“A intuição é uma coisa muito poderosa, mais poderosa do que o próprio intelecto, na minha opinião. Isso teve um grande impacto sobre o meu trabalho”. Steve Jobs. Desde a icônica campanha do “Think Diferent”, passando pelo Genius Bar, iTunes, iPad, a Apple tem estado sempre na vanguarda da invenção não apenas de dispositivos, mas de mercados inteiros.

Quando foi a última vez que você desafiou o status quo. Considere perguntar, em um momento de decisão: “o que Steve faria?”. O que Steve Jobs Faria no seu lugar? O que Steve Jobs Faria no seu lugar?

#6. A sua empresa quebra as suas promessas
Se pararmos para analisar, uma marca nada mais é do que uma promessa. Uma medida de confiança para qual o consumidor chega a uma decisão no momento em que faz uma escolha.

A marca Apple promete que através dos seus produtos, a sua individualidade triunfará. O seu iPhone, iPad, iPod irá te libertar de tudo. A Apple promete que quando você compra um iDevice você vai se tornar parte de uma comunidade de pensamento avançado independentes e que se recusam a ser detidos. Você será um tipo criativo de pessoa.

Sua escolha de um Mac, ao invés de um PC vai mostrar que  você está mais consciente  e mais evoluído do que aquele cara da Dell que senta na mesa ao lado. Você paga um prêmio por esse privilégio. Mas, vale a pena. Porque você confia que a Apple cumpre as suas promessas. E eles fazem. Quando Steve Jobs anunciou no iPhone um produto mágico e revolucionário ele estava dizendo a verdade. A sua marca está fazendo jus a sua promessa? Se não estiver, é hora de repensar tudo isso.

#7. A sua empresa não tem um bom porquê
No final de 1990 a Microsoft parecia uma força inalcançável, capturando os gigantes do passado, como Coca-Cola e GE para se tornar a empresa mais valiosa do mundo e a primeira a ultrapassar um limite de mercado de 500 milhões de dólares. Mas, como disse Henry Ford: “uma empresa que não faz nada, mas tem dinheiro é um negócio pobre” e, se olharmos para o que aconteceu com as ações da Microsoft e Apple prova o quanto essa afirmativa é verdadeira. O que há de tão diferente nessas duas empresas?

Uma delas é conhecida por criar produtos realmente úteis. A outra é admirada por fazer as coisas diferentes e  mudar completamente a nossa forma de experimentar a tecnologia. Ambas as marcas têm uma resposta muito clara à pergunta: “o que você faz?”, mas só uma tem uma resposta muito clara à pergunta “por que você faz isso?”.

A sua empresa tem uma razão clara e convincente do porque você faz o que faz? Qual o por quê da sua empresa? Qual o por quê da sua empresa?Sua empresa nunca será como a Apple. Não é apenas por ter um logotipo icônico ou uma embalagem sexy para os seus produtos que a Apple se tornou a empresa e marca mais valiosa do mundo. É tudo uma combinação poderosa de:

1) dedicação a um produto incrível; 2) sentimento verdadeiro para os clientes; 3) paixão por design; 4) foco extremo; 5) a coragem de reinventar tudo; 6) a entrega consistente da sua promessa; e 7) uma resposta muito clara ao por quê. Se você e a sua empresa conseguirem algo semelhante, talvez veremos a sua emrpesa juntamente com as marcas mais valiosas em alguns anos. E isso será magnífico.

O que você acha que leva uma marca ser vista como extraordinária pelas pessoas? Quais marcas que você acha que atingiram o status da Apple?

* Este artigo foi adaptado do original “7 reasons your brand will never be as awesome as Apple”, do HubSpot Blog e publicado no Jornal do Empreendedor

Ruídos na comunicação interna? Cinco dicas para ajudar você nesta luta!

Não deixe a sua empresa virar uma torre de Babel! Invista em comunicação interna já!

Não deixe a sua empresa virar uma torre de Babel! Invista em comunicação interna já!

João estava cuidando de um projeto especialíssimo. Estudava todas as nuances, objetivos, formas de coloca-lo em prática e gerar resultados para a empresa. Fechado em seu mundo, sem discutir saídas ou ações possíveis com colegas, e até chefias, chegou a uma encruzilhada. Nada vinha a sua mente. De outro lado, na mesma sala, Geraldo tocava outros projetos. Experiente, aberto a debates e troca de ideias, ele estava ali a poucos metros de João e com a solução! Mas nem um, nem outro, sabiam como compartilhar seus anseios na cultura da empresa. Muito tempo e dinheiro em horas, investimento que poderia ter sido melhor canalizado.

Esse e tantos outros casos acontecem diariamente nas empresas pelo mundo afora. A depender do segmento do negócio, mais problemas surgem na comunicação interna. Faltam investimentos em processos que viabilizem a troca de ideias, de notícias e informações. E não se trata apenas de criar grupos no Facebook, WhatsApp, Google. Trata-se de mudar a cultura existente internamente. De promover a abertura que possibilita a geração de insights, ideias renovadoras, de compreender que quanto mais comunicação aberta, compartilhada e disponível, melhores resultados a empresa alcança.

Veja algumas dicas que temos para encarar esses ruídos:

1)    Contrate um profissional: não ponha sua comunicação, qualquer que seja, para públicos externos ou internos, nas mãos de quem não tem a formação necessária. Busque no mercado quem possa apoiar a criação, o planejamento e até a execução do plano no dia a dia. Você quer resolver o seu problema? Então coloque em mãos profissionais. Quando você precisa de um médico, procura um administrador? Não, não é mesmo?

2)    Desafie sua equipe a pensar comunicação: reúna o time e faça uma grande tempestade de ideias. Abra geral para ouvir os problemas, as soluções. Não se feche a nada que vier dessa chuva. Organize tudo, avalie, diagnostique. Terá em mãos um tesouro.

3)    Planeje as ações: de posse de todas as informações que o time jogou à mesa, ponha a cabeça para funcionar. Analise o seu público, o espaço físico, as estratégias que tens para a empresa. Sistematize tudo em ações em ordem de prioridade.

4)    Eleja uma comissão de ação: crie um processo que eleja o grupo de gestão dessa comunicação interna. Eles têm a responsabilidade de colocar em andamento o plano produzido, avaliar o que acontece nos resultados, fazer a roda girar. Essa comissão deve ser mudada a cada período definido pela diretoria.

5)    Encontre a ferramenta certa: nas ações a serem executadas haverá certamente atividades internas, impressos, e claro, uso das mídias digitais. Encontre um sistema que seja adequado ao tamanho da sua empresa parar gerir, engajar e promover a circulação das informações de forma ágil e profissional.

Siga esses passos, e também sua expertise para encontrar o melhor caminho. Não deixe que a confusão na comunicação faça sua empresa naufragar. Sucesso!

* Salvador Neto é jornalista, consultor em comunicação, especialista em planejamento da comunicação, diretor da agência Salvador Neto Comunicação. É editor do Blog Palavra Livre (www.palavralivre.com.br), apresenta o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET Joinville (SC) (www.babitonga.tv.br) e é profissional com mais de 20 anos de atuação na comunicação em diversos setores.

Fuja do “achismo”

O "achismo" grassa em empresas e organizações. Fuja dele!

O “achismo” grassa em empresas e organizações. Fuja dele!

Uma das modalidades mais utilizadas na comunicação de empresas e organizações em geral é o achismo. Você não sabe o que é? Nunca ouviu isso em reuniões intermináveis para se descobrir a solução final de problemas em sua empresa? Achismo, dizem os dicionários, é a tendência em avaliar as situações segundo as próprias opiniões ou intenções, muitas vezes sem justificação. Opiniões, eu tenho a minha, você tem a sua. Intenções, todos têm, dependendo do que se deseja obter. Agora, justificar a sua proposta é um caminho um pouco mais duro, e depende muito do background do profissional.

O achismo é uma das fontes mais fecundas dos fracassos em projetos de comunicação mundo afora. Na política, assessores vivem achando tudo, sobre tudo, e com base nisso decidem rumos que não poucas vezes levam lideres políticos à ruína. Nas finanças, achar que a inflação, o cambio, os juros, vão subir descer, cavam rapidamente a falência. Nas empresas em geral, lançar produtos e serviços com base no achismo carreia milhões para ralos dos mais diversos, causando perdas incalculáveis para a imagem das empresas, e claro para o bolso dos sócios e acionistas.

Pesquisas, pesquisar dados estatísticos, tendências, estratégias, ter uma leitura do mundo como um todo, isso tudo e mais um pouco deve ser feito com prioridade. Experiência é fruto de tentativas, e aí erros e acertos. Essas vivências é que determinam o conhecimento, aliado a pesquisa, embasamento em bases sólidas. Fuja de mágicos que oferecem o santo graal para a cura de todos os males da empresa. Não dê ouvidos a quem acha muita coisa, mas pouco tem de base concreta para afirmações que levam a decisões estratégicas. Aposte em quem pensa, e planeja. Os resultados serão infinitamente superiores ao time dos achistas.

Boa Comunicação = planejamento + investimento

comunicacaoplanejamentosalvadornetoMuitos empresários e empreendedores incorrem no mesmo erro quando saem a campo para tornar seus negócios e produtos conhecidos. O senso comum de que todo mundo conhece de comunicação empurra a todos para perdas financeiras do seu investimento, e por vezes, arranhões irremediáveis na imagem construída, ou que ser quer fazer conhecida. A fórmula correta para atingir seus objetivos de comunicação, ou marketing, como preferir, está na fórmula do título deste artigo.

Em tempos de mudanças radicais na forma de se comunicar, os meios digitais crescem rapidamente como mídias para atingir seus públicos, é importante salientar algumas dicas para que você não jogue dinheiro fora, e mais, faça do seu investimento uma catapulta para o sucesso. Confira:

1 – Planeje, planeje, planeje: antes de colocar dinheiro em materiais gráficos, mídia eletrônica, digital, impressa, sente e planeje com seus líderes. Nada melhor que investir tempo e massa cinzenta nos seus objetivos, públicos que pretende atingir, metas, definir e saber quem e quais são seus concorrentes, entre outros temas importantíssimos. Com base nisso, você saberá mais sobre a sua empresa ou negócio, produto, e detalhes do público, mercado.

2 – Analise os cenários: no processo de planejamento você precisa também olhar para os cenários econômicos, governamentais, políticos, mercadológicos, avaliando todos os dados disponíveis, debatendo com sua equipe a realidade, não o que vocês pensam ou acreditam. Pragmatismo é fundamental nessa hora.

3 – Defina objetivos claros: observe todos os dados postos à mesa, e coloque seus objetivos gerais e específicos de forma direta e clara. Isso deve ser feito com base no que foi captado nos dois passos anteriores, haja vista que tudo deve ser sinérgico, sincronizado com as análises anteriores.

4 – Público alvo: o time também deverá decidir quais são efetivamente seus públicos-alvo, de acordo com os dados colhidos, e adaptados a cada serviço, produto da empresa. Afinal, cada um deles deve ser desejável a um grupo de pessoas, ou empresas. Se forem grandes ou médias empresas, um público. Se forem jovens, idosos, pessoas com deficiência, outros públicos completamente diferentes.

5 – Ações: com base nos públicos-alvo definidos, análises de cenários, objetivos, metas, concorrência, aí sim você poderá decidir o que fazer, como fazer, onde fazer, para quem fazer, de que forma fazer e quando fazer os investimentos em comunicação e marketing. Você se surpreenderá com o aparecimento de tantos canais disponíveis para comunicar. E investirá com muito mais garantia de retorno.

Jamais deixe que a pressa atropele o planejamento estratégico da comunicação. Jamais confie sua comunicação, planejamento e execução a inexperientes, estagiários, porque a forma amadora de fazer negócios leva a prejuízos consideráveis. Com base nesta peça, que deve ser feita de forma participativa com os setores da empresa e seus líderes, seus negócios atingirão os objetivos com uma relação custo-benefício boa e eficaz. Um dos serviços mais procurados pelos clientes da Salvador Neto Comunicação é o plano estratégico. E sabe por quê?

Porque é o caminho correto diante da encruzilhada que o empresário ou empreendedor encontra para viabilizar sua empresa ou produto. Nenhum vento ajuda se você não sabe para onde ir, já diz o velho ditado. Não se deixe levar por visitas de vendedores de mídias, mágicos da propaganda e publicidade. Antes, planeje, planeje, planeje, Avalie, planeje novamente. Você terá muito mais sucesso. Conte conosco!

  • Salvador Neto é jornalista, consultor em comunicação, especialista em planejamento da comunicação, diretor da agência Salvador Neto Comunicação. É editor do Blog Palavra Livre (www.palavralivre.com.br), apresenta o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET Joinville (SC) (www.babitonga.tv.br) e é profissional com mais de 20 anos de atuação na comunicação em diversos setores.