Arquivar 11 de setembro de 2020

Baú de Memórias #8 – Travessia, entre uma multinacional e outra

Na última crônica profissional contei sobre minha passagem na Coca Cola. Terminei levando algo que sempre te leva pra frente: um pé na bunda. Segue a história:

“Demitido da Vonpar/Coca-Cola, prestes a ser pai pela primeira vez, mudança para a nova casa, um apartamento financiado, contas a pagar… a vida testando a minha força, resiliência, persistência e vontade. Tinha jeito senão recomeçar? Eis aí meu primeiro contato com a área jornalística de fato, quando vi um anúncio no jornal local. Precisa-se de assessores comerciais, nome bonito para vendedores. Jornal Indústria e Comércio iniciava atividades na cidade.

Comecei lá em dezembro de 1994, pouco mais de um mês após sair da Vonpar/Coca Cola. Salário mínimo e comissões, e para ser um nobre membro da equipe, teria que usar roupa social, gravata, etc. Nunca foi meu forte… O produto era venda de assinaturas do jornal voltado ao comércio e indústria. Saia todos os dias pelas ruas, a pé ou de ônibus, visitando estabelecimentos interessados. A ideia era boa, o time bom, e o jornalista responsável era o amigo Júlio Franco. Mas vender assinaturas, francamente, não era simples, nem com bonificações. O cara das vendas era o Franco, grande figura que depois se tornou o cara comercial no ramo de fretes.

Era verão brabo, e eu suava em bicas engravatado. Nesta fase conheci um dos grandes amigos que tive na vida, o Júlio Marim. Tinha acabado de assumir o apartamento novo, em um condomínio de 14 blocos se não me engano. Ele também morava lá em bloco vizinho. Um dia, eu parado no ponto de ônibus na rua em frente, eis que para um carro, e o motorista abre a janela. “Quer carona? Vai pra onde?”. Era ele, Júlio. Respondi que iria para o centro, e ele disse que me levava, estava indo para lá também. Meio desconfiado, entrei. Ele era representante comercial de papelão, e gostava do que fazia. Nascia ali uma grande amizade – hoje distante – que teve um marco. Um acidente de carro logo neste mesmo dia. Batemos atrás de outro carro. Esquecer como!

Apesar da amizade, e de alguns convites dele ao longo dos anos, nunca vendi papelão, caixas para embalagens, com ele. E ele prosperou muito, junto com sua esposa Maria Teresa. Adorava um churrasco, cerveja, festa, futebol. Tiveram uma filha linda, Maria Estela, que faleceu tragicamente depois. Depois o casal adotou um menino e a vida seguiu. Vamos voltar né, à minha história. Mas com isso quero dizer que amizades são fundamentais em nossas vidas. Prestar atenção nisso é importante. Inaugurei o ano de 1995 com um grande presente, o nascimento de meu primeiro filho, o Gabriel. Ele já vivia em meus sonhos, eu o via claramente brincando comigo, na cama, jogando bola. Tempos depois viveríamos exatamente estes momentos. Quem explica?

Ele nasceu em fevereiro, e em março deixei o emprego no jornal para vender publicidade na tv, então RBS TV. Recebi uma dica de amigo que teve o meu apoio em eventos de publicidade com a marca Coca-Cola, e fui ser vendedor de publicidade com o famoso Orlando, o cara de vendas da TV. Ganhei apoio e um rápido treinamento, e uma lista com alguns clientes potenciais. Em um deles vendi minha primeira propaganda, e a comissão era legal. Não havia salário fixo. Aquela grana salvou o início da vida como pai de família. Mas durou pouco, porque logo apareceria outra chance.

Outro anúncio me chamava a atenção: a Pepsi Cola voltava a operar no Brasil agora através de uma empresa argentina chamada Baesa – Buenos Aires Embotelladora, e o nome comercial aqui era o internacional, Pepsi Cola Engarrafadora. Fila imensa em hotel novamente, fichas preenchidas, e logo depois fui entrevistado por um gaúcho, o Mário Schenk, que seria o responsável pela região. O diretor geral em Santa Catarina era o Douglas (não lembro o sobrenome), falastrão, animado. Fui contratado imediatamente, a experiência na concorrente Coca Cola foi fundamental. Comecei o trabalho no mesmo dia em que o primeiro shopping de Joinville, o Mueller, iniciava atividades em maio de 1995. Outra experiência sensacional que marcou minha carreira e reflete em minhas habilidades até hoje, pois permitiu que eu mergulhasse em outro universo de comunicação, vendas, marketing e operação logística diferenciada.

Pude trabalhar em outras cidades novamente como Blumenau, Curitiba, Porto Alegre, Florianópolis, ajudando a implantação de novas unidades, rotas de vendas e entrega, treinamento de vendedores, abertura de praças e reconquista de clientes e grandes clientes do ramo supermercadista como Angeloni, Big, Giassi, Americanas, e muitos outros nos três estados do sul. Foi a melhor empresa em que trabalhei até hoje em termos salariais, benefícios, e valorização pessoal. Tenho muito para contar, após esta travessia, e a novidade de ser pai pela primeira vez. Conto mais na próxima!

Por Salvador Neto

Desinformação – Novo algoritmo detecta vídeos manipulados e deepfakes

Desinformação e fake news é um problema recorrente, especialmente nos Estados Unidos. Porém, com a pandemia do novo coronavírus (SARS-CoV-2) e as iminentes eleições presidenciais, tais campanhas se tornam ainda mais perigosas. E é por isso que a Microsoft acaba de revelar o Video Authenticator, uma tecnologia que utiliza um algoritmo próprio para verificar a autenticidade de um clipe.

A invenção, segundo a própria companhia, é capaz de analisar clipes e fotografias, prestando atenção em elementos que seriam invisíveis ao olho humano. Com base na análise, ele fornece uma “nota de confiança” para que o próprio usuário possa decidir se é válido acreditar naquele conteúdo ou não. O algoritmo seria altamente eficaz na detecção de deep fakes, afirma a Microsoft.

Além de prover o autenticador em si, a companhia também vai permitir que produtores de conteúdo adicionem hashes em suas produções, que seriam utilizados como certificados de autenticidade no caso de um vídeo ou uma foto ser modificada. Trata-se de algo similar ao programa Content Authenticity Initiative, da Adobe, que gera um histórico permanente e protegido criptograficamente para registrar modificações em fotografias.

Imagem: Divulgação/Microsoft

Por enquanto, o Video Authenticator estará disponível apenas para membros do RD2020, uma iniciativa sem fins lucrativos que ajuda repórteres e pesquisadores a combater a desinformação através de uma série de ferramentas específicas.

Fonte: Engadjet