Boa Comunicação = Planejamento + Investimento – 5 dicas sobre

Muitos empresários e empreendedores incorrem no mesmo erro quando saem a campo para tornar seus negócios e produtos conhecidos. O senso comum de que todo mundo conhece de comunicação empurra a todos para perdas financeiras do seu investimento, e por vezes, arranhões irremediáveis na imagem construída, ou que ser quer fazer conhecida. A fórmula correta para atingir seus objetivos de comunicação, ou marketing, como preferir, está na fórmula do título deste artigo.

Em tempos de mudanças radicais na forma de se comunicar, os meios digitais crescem rapidamente como mídias para atingir seus públicos, é importante salientar algumas dicas para que você não jogue dinheiro fora, e mais, faça do seu investimento uma catapulta para o sucesso. Confira:

1 – Planeje, planeje, planeje: antes de colocar dinheiro em materiais gráficos, mídia eletrônica, digital, impressa, sente e planeje com seus líderes. Nada melhor que investir tempo e massa cinzenta nos seus objetivos, públicos que pretende atingir, metas, definir e saber quem e quais são seus concorrentes, entre outros temas importantíssimos. Com base nisso, você saberá mais sobre a sua empresa ou negócio, produto, e detalhes do público, mercado.

2 – Analise os cenários: no processo de planejamento você precisa também olhar para os cenários econômicos, governamentais, políticos, mercadológicos, avaliando todos os dados disponíveis, debatendo com sua equipe a realidade, não o que vocês pensam ou acreditam. Pragmatismo é fundamental nessa hora.

3 – Defina objetivos claros: observe todos os dados postos à mesa, e coloque seus objetivos gerais e específicos de forma direta e clara. Isso deve ser feito com base no que foi captado nos dois passos anteriores, haja vista que tudo deve ser sinérgico, sincronizado com as análises anteriores.

4 – Público alvo: o time também deverá decidir quais são efetivamente seus públicos-alvo, de acordo com os dados colhidos, e adaptados a cada serviço, produto da empresa. Afinal, cada um deles deve ser desejável a um grupo de pessoas, ou empresas. Se forem grandes ou médias empresas, um público. Se forem jovens, idosos, pessoas com deficiência, outros públicos completamente diferentes.

5 – Ações: com base nos públicos-alvo definidos, análises de cenários, objetivos, metas, concorrência, aí sim você poderá decidir o que fazer, como fazer, onde fazer, para quem fazer, de que forma fazer e quando fazer os investimentos em comunicação e marketing. Você se surpreenderá com o aparecimento de tantos canais disponíveis para comunicar. E investirá com muito mais garantia de retorno.

Jamais deixe que a pressa atropele o planejamento estratégico da comunicação. Jamais confie sua comunicação, planejamento e execução a inexperientes, estagiários, porque a forma amadora de fazer negócios leva a prejuízos consideráveis. Com base nesta peça, que deve ser feita de forma participativa com os setores da empresa e seus líderes, seus negócios atingirão os objetivos com uma relação custo-benefício boa e eficaz. Um dos serviços mais procurados pelos clientes da Salvador Neto Comunicação é o plano estratégico. E sabe por quê?

Porque é o caminho correto diante da encruzilhada que o empresário ou empreendedor encontra para viabilizar sua empresa ou produto. Nenhum vento ajuda se você não sabe para onde ir, já diz o velho ditado. Não se deixe levar por visitas de vendedores de mídias, mágicos da propaganda e publicidade. Antes, planeje, planeje, planeje, Avalie, planeje novamente. Você terá muito mais sucesso. Conte conosco!

  • Salvador Neto é jornalista, consultor em comunicação, especialista em planejamento da comunicação, diretor da Salvador Neto Comunicação. É editor do Blog Palavra Livre (www.palavralivre.com.br), é profissional com mais de 30 anos de atuação na comunicação em todos os setores econômicos nas áreas privada e pública.

Gestão de Imagem é coisa séria

Se há algo estrategicamente errado na gestão da imagem de empresas, personalidades, organizações, é “falar” aquilo que não se é. Exemplo: invocar que seu governo é transparente, altamente técnico e ser desmentido pela realidade dos fatos. Aliás, nada pior para a imagem pública que ser desconstruída pela realidade. É fatal para os negócios, para a política, para o marketing pretendido.

Um exemplo atual deste tipo de definição e gestão estratégica é o governo de SC, comandado por Carlos Moisés da Silva. Eleito na onda bolsonarista, chegou avisando que seu governo seria transparente, técnico, nova política, dizia. No meio do caminho esbarrou na realidade. Sem diálogo com parlamentares, criou várias crises políticas em menos de ano e meio do mandato. Eis que ainda chega a pandemia do coronavírus.

Moisés até foi bem de início. Encarou o empresariado, fechou tudo para garantir o isolamento social e reduzir o contágio, etc. Diariamente realizava, e realiza, um monólogo via internet. Ele fala, o povo só ouve. Coletivas de imprensa virtuais começaram a ter perguntas censuradas. Aos poucos foi cedendo as pressões por reabertura das atividades econômicas. Até que apareceram as licitações para a compra de EPIs para o combate ao Covid-19.

Matéria do The Intercept Brasil derrubou o pano que encobria negócios no minimo estranhos como um hospital de campanha que custaria R$ 76 milhões, compras com pagamento antecipado, e uma em especial de R$ 33 milhões para a compra de 200 respiradores, pagos antecipadamente e sem qualquer garantia cabal de recebimento dos equipamentos. Começou a faltar ar no Governo, dito técnico, transparente e novo.

Revoltado, o governador Carlos Moisés atacou a imprensa em evento virtual com empresários, solicitando claramente que eles usassem se poder econômico para dirigir o conteúdo do jornalismo que o desnudou. Aí a imagem ruiu por completo. Aonde se dizia novo, ficou mais arcaico e carcomido na tentativa de censura. Transparência, zero, quando não soube explicar porque, quem, como e para quê se pagou milhões por algo sem garantia sequer de recebimento. De técnico, ficou somente a palavra.

Portanto, fica a lição aos estrategistas de imagem: nunca vendam a imagem que se dissolve no ar ao primeiro vento ou tempestade. Prefira mostrar à sociedade o que é como ele realmente é. Se for sisudo, mostre-o como é. Caso seja duro no jeito de ser, é isso que as pessoas tem que ver. É ruim, seria melhor mostrar outra “cara”? Pode ser, mas prefira sempre ser realmente transparente, real, você nunca será pego nas curvas da vida ao ser confrontado com uma imagem inexistente. Até o próximo artigo!

  • Salvador Neto já segurou muitas crises de imagem, orientou muitas empresas, organizações e personalidades sobre sua imagem pública e real. Sabe bem o custo de uma comunicação sem base.

Salvador Neto atende Grupo RIC em projeto especial

O jornalista Salvador Neto foi contratado pelo Grupo RIC SC para apoiar projeto especial que está em maturação na companhia. Assessoria de Imprensa, planejamento estratégico, cobertura de alguns eventos estão no escopo do trabalho.

O Grupo RIC vai mudar, e há uma campanha em andamento com teaser em todas as plataformas da empresa, convidando a audiência, clientes e anunciantes a participar deste novo momento, que é considerado pelo Grupo, pertencente à família Petrelli, a maior transformação da sua história.

Salvador Neto participa mais uma vez de um grande projeto.

Crises: Como evitar danos com plano preventivo

Antecipar e planejar, eis o caminho para a gestão de crises de imagem

Antecipar e planejar, eis o caminho para a gestão de crises de imagem

Todas as empresas, organizações políticas, sociais, governamentais, personalidades de todos os segmentos, sejam políticos, atores, atletas, artistas plásticos, e até você mesmo, sim, você que mantém seus perfis em mídias e redes sociais, podem enfrentar problemas com a imagem, pessoal ou empresarial.

Negar isso é o primeiro passo para um retumbante fracasso, com danos enormes (às vezes irrecuperáveis) para seus negócios. projetos, vida pessoal. Lidar com crises faz parte do ofício de quem atua na área de assessoria de imprensa e comunicação em geral. Não raro há problemas ambientais com a operação de uma empresa, denúncias de desvios e más condutas por parte de agentes políticos, uma foto mal utilizada, ou declarações infelizes dadas à jornalistas, revistas, jornais, ou até publicadas em perfis empresariais e pessoais.

Claro, há como evitar tais erros, economizando alguns milhares de reais, dólares ou euros com atitudes preventivas que pelo menos minimizem as oportunidades de erros, e de crises com a imagem. Veja algumas atitudes que são essenciais e práticas que temos na agência:

1) Construção de um plano preventivo: realize um diagnóstico profundo com mapeamentos dos principais pontos negativos da sua empresa, seus diretores, as práticas corporativas, o sistema produtivo, tudo! Seja altamente transparente com você mesmo e seus negócios.

2) Definir planos de ação aos riscos: com base neste mapeamento anterior, coloque suas energias para escrever sobre cada um dos erros e problemas, especificando o porque existem, quais as causas, o que se está fazendo para melhorar, etc. Isso facilita a reação com mídia em geral, que deve ser rápida.

3) Comunique geral: sim, com base em todo o plano preventivo, as definições claras, muito claras, sobre todos os problemas e erros, você deve comunicar isso de forma também objetiva e transparente aos funcionários, de cada “andar” da organização com sua linguagem, especialmente diretores, gerentes, etc.

4) Treine, treine, treine: com tudo isso pronto (passos 1 a 3) é hora de capacitar, treinar, preparar seu time para qualquer crise que possa ocorrer. Realize oficinas de mídia, treinamentos especiais para lidar com a imprensa tradicional (rádio, tv, jornais, sites, blogs) e mídias e redes sociais. Capacitados, seus profissionais comunicam melhor, com objetividade, e municiados de informações estratégicas contidas no plano preventivo.

5) Abra o coração: sim, seja aberto à imprensa sempre, aos repórteres, colunistas, blogueiros, ativistas, com mediação de profissional de comunicação habilitado e experiente para isso. Quando acontecer a crise, e nunca esqueça disso, ela pode acontecer a qualquer um, há um caminho a seguir.

Com a mente aberta para esses passos, algumas dicas de quem já enfrentou muitas e variadas crises de imagem com seus clientes, esperamos que você e sua empresa ou organização tenham compreendido que melhor é prevenir que remediar, consertar. Sucesso!

* Escrito por Salvador Neto, consultor estratégico em comunicação, planejamento e gestão de comunicação, marketing, assessoria de imprensa, mídias sociais e conteúdo. Tem mais de 20 anos de serviços prestados em assessoria de imprensa em vários segmentos, já enfrentou crises de imagem das brabas!