Artigo: Assessores e Assessorados, a difícil relação de confiança

A relação deve ser de confiança, não de subserviência.

A relação deve ser de confiança, não de subserviência.

Ao longo de mais de 20 anos de carreira na comunicação, notadamente com assessoria de imprensa para empresas, sindicatos, personalidades públicas e entidades, vi e vivi muita coisa. Compartilho com os leitores o meu olhar na relação entre assessores e assessorados. Analisem, leiam, curtam, compartilhem e comentem, obrigado!

Jorge (nome fictício) dirige uma grande empresa que cresce em seu mercado. Profundo conhecedor do seu ramo de negócios, ele decide contratar uma assessoria de comunicação para cuidar da imagem de seus negócios e a sua própria. Determinado, faz consultas a amigos e pesquisa o mercado. Após alguns contatos, apresentações e propostas, ele contrata um dos melhores, o Zeca, especialista em marketing, jornalista e muitos outros agregados após seu nome. Conhecimento não lhe falta. Ao Jorge também não. Começa a parceria, mas meses depois Jorge encerra o contrato. Alegação? Os resultados não foram os esperados.

Aos amigos da área, o dispensado Zeca conta seu calvário. Desde o início, Jorge conversou com ele pouquíssimas vezes sobre as estratégias da empresa. Nas reuniões de diretoria, vez ou outra foi convidado, e aí, não sabia do que se pensava para o futuro, tampouco do presente real em andamento. Quando via, opiniões de Jorge já estavam em colunas econômicas, por vezes, causando problemas ao empreendimento tanto interna quanto externamente. E Jorge? Bom, empresário bem sucedido, entendedor do seu negócio, entendeu que o investimento em um profissional não valia à pena. Afinal, ele é que tinha de pensar e realizar tudo!

Essa pequeníssima estória acontece muitas e muitas vezes na relação entre assessores e assessorados, e em vários ramos de negócios, e também de assessorias e consultorias. E sabem por quê? Porque quem contrata precisa ter como decisão fiel, verdadeira e sincera de investir em comunicação, na transparência do relacionamento não só com a sociedade e os mercados, mas também com fornecedores, trabalhadores, consumidores. É preciso valorizar a comunicação como bem prioritário na organização. E não medir o profissional contratado apenas pelo que o assessorado entende empiricamente como sendo comunicação.

Nada é mais importante em uma empresa, entidade social, órgãos públicos, governos em geral, ou mesmo para personalidades políticas, empresariais, eclesiásticas, esportivas e tantos outros do que a informação. Sem a informação obtida e disponibilizada de forma ética e planejada, as crises acontecem com uma freqüência preocupante. Por vezes, tais crises podem até mesmo fazer desmoronar impérios fortíssimos, ou imagens escrupulosamente limpas. Exemplos estão aos montes espalhados por aí em livros, reportagens e relatos de assessores e assessorados. Não há profissional de comunicação que resolva o problema se falta vontade verdadeira por parte do contratante, ou seja, o assessorado.

Como Jorge pode querer um resultado primoroso de Zeca se sequer conversa com ele rotineiramente, não deseja abrir suas estratégias e discuti-las em conjunto, ou mesmo aceitar um planejamento de comunicação adequado ao seu momento, e às suas aspirações? Em pleno século 21 as relações entre assessores e assessorados precisa avançar muito de ambas as partes, mas muito mais de quem contrata o Zeca, não é Jorge?

Aliás, recentemente a empresa dele passou por uma crise sem precedentes por conta de problemas ambientais que caíram como uma bomba na imprensa e por conseqüência, nos mercados. Suas ações despencaram e quase foi à falência. As suas informações confundiram a opinião pública, e a emenda saiu pior que o soneto. Comunicação é coisa séria e deve ser administrada por profissionais preparados, qualificados. E o contratante não deve titubear, deve estar decidido a priorizar a área. Não basta parecer, é preciso ser, e mais: esta regra é válida para assessores e assessorados. O mercado não perdoa amadores.”

  • Salvador Neto é jornalista, consultor em comunicação, especialista em planejamento da comunicação, diretor da agência Salvador Neto Comunicação. É editor do Blog Palavra Livre (www.palavralivre.com.br), apresenta o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET Joinville (SC) (www.babitonga.tv.br) e é profissional com mais de 20 anos de atuação na comunicação em diversos setores.

 

Artigo: Civilização Digital, como viver nela?

civilizacaodigitalsalvadornetoNeste artigo de estreia no Blog da Salvador Neto Comunicação, busco fazer pensar sobre o novo modo de viver que a tecnologia nos trouxe, e ainda trará. Dê uma lida, comente, compartilhe, e curta!

“Civilização Digital? Mas o que é isso deve pensar o leitor que abre este post! Não se assuste, é isso mesmo! Vivemos hoje em uma verdadeira, complexa, multifacetada, intrincada, escandalosamente conectada e compartilhada civilização digital. Antes que me crucifiquem pela avançada ousadia, explico que Civilização é o estágio de desenvolvimento cultural em que se encontra um determinado povo. Este desenvolvimento cultural é representando pelas técnicas dominadas, relações sociais, crenças, fatores econômicos e criação artística.

Vários fatores podem influenciar no desenvolvimento de uma civilização como, por exemplo, recursos naturais de uma região, clima, proximidade com outra civilização, liderança exercida por um determinado período, etc. Uma civilização pode ser movida pela vontade, de seu povo ou liderança, de acumular riquezas, obter conhecimentos úteis, dominar militarmente outras regiões ou até mesmo buscar a qualidade de vida para as pessoas.
Durante a história, tivemos o desenvolvimento de diversas civilizações com características diferentes.

A civilização egípcia, por exemplo, caracterizou-se pela concentração de poder e riquezas materiais nas mãos do faraó. Desenvolveram vários conhecimentos com objetivo religioso (preservar o corpo e as riquezas para uma vida após a morte). A civilização grega se desenvolveu com intuito de aprimorar as capacidades intelectuais, físicas e políticas. Neste contexto, desenvolveram a democracia, as artes, o teatro e muito mais. A civilização romana dedicou-se ao domínio militar de amplas regiões, como forma de obter poder econômico. Todas estas e muitas outras civilizações formam a nossa civilização.

Agora, todas essas culturas, conhecimentos, e muito mais estão a um clique da sua casa. Estão a um clique no seu celular, tablet, smartphone, e também em sua televisão. Acabaram as distancias. Podemos viajar por diversas culturas a partir do nosso mundo, na mesa de um bar, na escola, no trabalho. Assim como podemos ligar e falar com qualquer um em qualquer lugar do mundo a qualquer hora! Sistemas nos conectam o tempo todo a tudo. Podemos comprar com o acesso a sites que vendem de tudo, de bijuterias a roupas, de tênis a aparelhos eletrônicos, de passagens aéreas a hospedagem.

Esta nova civilização, no entanto, ao mesmo tempo em que está altamente comunicada e interligada em tempo real, se ressente do tempo para ver fisicamente o outro. Se por um lado aumentam aos borbotões as redes de amigos via Facebook, Linkedyn, Twitter e outros, não os conhecemos verdadeiramente! Na sua grande maioria só temos a imagem, talvez a simpatia pelo que fazemos, contamos, divulgamos. Mas não sabemos quem são, o que fazem, não sentimos os outros. Nos encontramos diariamente via internet, mundo virtual, como também é a civilização digital, virtual. Mas não conseguimos nos reunir em uma mesa para conversar, olhar os olhos, tocar as mãos, viver como humanos.

Como viver nesta civilização, é a pergunta do título deste artigo. Simples. Não troque sua rede de amigos físicos pela de amigos virtuais. Use as ferramentas de relacionamento digital para o encontro pessoal, e para matar saudades momentâneas. Seja responsável pelo tempo que dedicas a estar em rede, tanto pessoalmente quanto profissionalmente. Pense que o tempo não é algo a ser gasto, que falta para você. Não! O tempo é exatamente a vida, a sua vida que escoa como na ampulheta, instrumento antiguíssimo que o homem criou para medir o tempo. O relógio da antiguidade.

Se não há como viver longe da civilização digital, porque o mundo gira em torno do virtual, negócios e trabalhos são fechados e realizados, temos que criar uma nova cultura de convivência. Porque somos humanos, e precisamos viver juntos, próximos, em comunidade real. Não confunda sua vida virtual com a real, física. O que vale é a física, onde temos as relações que valem efetivamente as nossas vidas. Para vivar a civilização digital é preciso ter os dois pés fincados na civilização humana. É partir daqui que se realiza a digital, e não o contrário”.

  • Salvador Neto é jornalista, consultor em comunicação, especialista em planejamento da comunicação, diretor da agência Salvador Neto Comunicação. É editor do Blog Palavra Livre (www.palavralivre.com.br), apresenta o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET Joinville (SC) (www.babitonga.tv.br) e é profissional com mais de 20 anos de atuação na comunicação em diversos setores.