Imagem: Eleição mostrou como destruir imagem em alguns atos

Imagem: Eleição mostrou como destruir imagem em alguns atos

COLETIVA DA CANDIDATA DERROTADA MARINA SILVAHá duas semanas escrevi pequeno post em meu Facebook. Ele dizia o seguinte: Quer um case de destruição de imagem em tempo recorde? Marina Silva é o case. De grande líder humilde, da sustentabilidade, ambientalista, à multipartidária, ultra direitista, sem rumo, e apenas uma vaga memória de líder política respeitada, agora com o anúncio de apoio a Aécio. Lamentável para nosso futuro político. Um ótimo exemplo de como não se deve gerir a sua imagem.

Tal texto suscitou ataques irracionais de torcedores do time de Aécio Neves, candidato do PSDB à presidência da República contra a candidata do PT e atual presidenta, Dilma Rousseff. A quem não entende de comunicação, não estudou um pouco sobre a gestão da comunicação, soou como um olhar político. Talvez tenha sim um viés político, mas tem muito mais de aprofundamento profissional do que não fazer com a sua imagem em momentos de crise.

Marina voltou à tela da TV no programa do tucano semana passada. Tentou mudar o visual, soltou os cabelos que antes viviam amarrados em um coque que lhe dava alguns anos a mais na idade. Mas o discurso foi o mesmo, diametralmente oposto às suas origens (sociais) e ideais (igualdade, inclusão, etc). Ou seja, amplificou o desastre de imagem que levou décadas construindo. Repito, em apenas pouco mais de quatro anos, Marina Silva diluiu sua imagem em nada.

Alguns dizem que na verdade ela não era realmente aquilo que vendia ao longo da sua carreira política. Talvez tenha mudado ao longo do contato com o poder, que a fez trocar de lado pouco a pouco, chegando ao auge ao ser picada pela mosca azul, aquela que a levou a disputar a Presidência da República em 2010 trocando o PT pelo PV. Depois o PV por algo como Rede Sustentabilidade (que não é sustentável ainda hoje), e agora no PSB por oportunidade.

Tudo isso relato para tratar da importância dos cuidados com a imagem dos negócios, da personalidade (político, atleta, empresário, etc), das entidades civis, entre outras. Que fique claro que em qualquer passo na comunicação, você precisa planejar. Sem planejar, não há sucesso possível. Porque não haverá plano de contingencia, nem estratégias, nem táticas. Vai ser tudo no acho que é isso, e aí… a derrocada é quase certa.

Passo dois: jamais venda algo que você não é. Você sabe quem é você mesmo. De nada adianta vender, por exemplo, imagem de seriedade se vive em baladas com mulheres e bebidas. Ou se dizer alguém preocupado com o trabalhador e não acreditar que pagar INSS e FGTS ajuda o seu funcionário, nem ter um tratamento respeitoso com eles. Ou ainda, falar de ética na política e fazer como Marina, que trocou de partido três vezes em quatro anos, e se aliou com conservadores, quando sua história de imagem foi colada aos grupos mais progressistas.

Passo três: defina claramente para que você está investindo em sua imagem de empresário, atleta, educador, palestrante, ou outra profissão que decidir seguir. O que você quer ser? Como quer ser lembrado? Para que servirá a imagem? Por onde imagina seguir a carreira? Isso tudo também relacionado a quem você é de fato na vida real. Sabe por quê? Se você vender uma coisa e for outra na vida real, mais cedo ou mais tarde essa construção cederá, cairá. Nada se mantém sem uma base forte e fiel ao original. Pense bem nisso.

É difícil seguir esses caminhos, dicas? Penso que sim, mas seria um ganho extraordinário para você mesmo investir em você mesmo, carrancudo ou não, fumante ou não, playboy ou não, acadêmico ou apenas estudioso, enfim, sai mais barato para o bolso, para a vida que vale no dia a dia, mantém a sua paz por não ser alguém que jamais foi e ter de mostrar algo falseado a maior parte do tempo. Não faça como Marina Silva. Seja você mesmo, e mantenha a sua imagem sempre respeitada.

Dica de profissional tá certo? Não busque ser o que não é, trabalhe seus projetos de comunicação de imagem com a sua essência, isso garante o seu sucesso sempre.

* Escrito por Salvador Neto, consultor estratégico em comunicação, planejamento e gestão de comunicação, marketing, assessoria de imprensa, mídias sociais e conteúdo. Tem mais de 20 anos de serviços prestados em assessoria de imprensa em vários segmentos, já enfrentou crises de imagem das brabas, e conhece como poucos a comunicação em diversos segmentos econômicos no país!

Avatar
Salvador Neto

Salvador Neto é jornalista profissional e renomado consultor e assessor em comunicação, planejamento, marketing, oratória, escritor autor de duas obras e vários textos literários em antologias. Experiente, e antenado nas mudanças da comunicação, é aposta certa quando sua empresa ou projeto precisar de apoio. É fundador e diretor da ECOM - Escola da Comunicação, criador da tese "Governança da Comunicação", para gestão sustentável de empresas, órgãos públicos, ONGs e pessoas públicas, e método "Funil do Voto", voltado a campanhas eleitorais..