Marketing Digital – Empresas esperam crescimento de 30% no setor

estrategia-de-marketing-digital-no-comercio-eletronicoO marketing digital ganhou popularidade em 2016 com pequenas, médias e grandes empresas firmando presença online e promovendo serviços e produtos por meio de vários canais digitais, tais como: mídias sociais, websites e afins. Hoje, o marketing está dando lugar a formas mais inteligentes de comunicação, que se baseiam na entrega com qualidade , ao invés de apenas produtos ou serviços.

“O ano de 2016 foi agitado para o meio digital. Podemos destacar a aquisição do LinkedIn por U$ 26 bi pela Microsoft, o Pokemon Go que se tornou o game mais jogado dos EUA em uma semana, e no e-commerce, a Alibaba anunciou um faturamento de U$ 14,3 bi em apenas 24 horas no Single’s Day, data comemorativa na China. No Brasil, a Black Friday cresceu 17%, segundo a Ebit, e empresas de automação de marketing receberam investimentos na casa dos R$ 60 milhões”, explica Daniel Cardoso, especialista em e-commerce e Marketing Digital da Impacta Treinamentos.

Para Cardoso, a mídia programática está deixando de ser exclusiva dos grandes anunciantes e passa a entrar no orçamento das empresas de médio porte. “As companhias começam a entender e a utilizar mais atendimentos por Bots, que permitem, por exemplo, que um cliente de banco consulte seu saldo por meio do Facebook”.

Incerteza econômica e marketplaces são desafios
A Crise econômica tem sido um grande obstáculo para o setor e possivelmente continuará sendo em 2017. De acordo com Vinicius, um grande problema a ser resolvido pelos varejistas online é o crescimento dos marketplaces.

“Algumas lojas virtuais decidiram focar quase 100% dos esforços neste modelo de divulgação, visando aumentar as vendas. Obviamente, os marketplaces são importantes e essenciais para as lojas virtuais. Contudo, com a consolidação e o aumento de concorrentes nos grandes portais brasileiros, os varejistas perceberam que é importante também vender por outros canais em seu próprio site, onde muitas vezes é possível vender mais barato, especialmente usando o e-mail marketing”.

Já Daniel acredita que o maior obstáculo é a incerteza dos empresários que aguardam uma maior estabilização do cenário macroeconômico. “Para 2017 apesar do ritmo lento do crescimento da economia, as empresas precisam ser ágeis em busca do melhor retorno de mídia, o que é positivo para o Marketing Digital, bastante efetivo e mensurável”.

Setor espera ano promissor
Em 2017 o marketing digital deve avançar em busca de personalização da comunicação. “As empresas que se dedicam a estudar e mapear detalhadamente quem é o seu cliente ideal – a persona – saem na frente para estabelecer uma comunicação mais eficiente. Na Mailbiz, trabalhamos focados em ajudar cada cliente a se comunicar melhor com o seu público, para colher como resultado maior engajamento e volume de vendas. Pretendemos crescer 75% em 2017 no que se refere à base de clientes”, afirma Vinicius.

O atual cenário econômico aumentou a procura por capacitação no setor. Daniel conta que a Impacta registrou um crescimento de 40% nos cursos de Marketing de Conteúdo e de Mídias Sociais.

“Esperamos que o crescimento se mantenha. Temos a intenção de ampliar nossa gama de cursos para melhor atender a demanda de mercado”. O CEO da Pílula Criativa também vislumbra melhoras para o futuro. “Pretendemos crescer 30% em 2017, e aumentar nosso leque de ofertas, tornando a agência ainda mais completa”, conclui Thiago.

Com informações do Dino

Serviços devem ter demanda menor, afirma FGV

SalvadorNetoComunicação-setor-serviços-queda-indicadores-FGVA queda de 3,1% no Índice de Confiança de Serviços (ICS) em agosto foi o oitavo resultado negativo consecutivo, de acordo com a Fundação Getulio Vargas (FGV). Apesar de uma leve melhora na percepção sobre o momento atual, as perspectivas sobre os próximos meses pioraram intensamente, na esteira de uma expectativa de demanda menor.

“Passados os efeitos negativos da Copa do Mundo sobre o nível de atividade corrente, a reação observada em agosto no Índice da Situação Atual (ISA) foi bastante moderada. Pelo lado das expectativas, a elevação observada em junho e, especialmente, em julho, não se confirmou, e o índice voltou a cair”, observou a instituição, acrescentando que o dado reforça sinais de um cenário de baixo crescimento até o fim do ano.

Segundo a FGV, a queda de 5,7% nas expectativas foi disseminada entre os setores, atingindo os 12 segmentos pesquisados e ambos os dois quesitos que fazem parte do indicador futuro. As perspectivas para a demanda ficaram 6,3% piores do que em julho. A proporção de empresas que esperam demanda maior nos próximos três meses diminuiu de 37,4% para 31,9% na passagem para agosto. Por outro lado, a fatia de empresas que aguardam redução da demanda passou de 9,7% para 12,3% no período.

Ainda do lado das expectativas, o indicador que mede o grau de otimismo em relação à tendência dos negócios recuou 5,1% contra julho. De acordo com a FGV, a proporção de empresas que projetam melhora nos próximos seis meses caiu de 37,4% em julho para 32 7% em agosto. Já a parcela das que esperam piora passou de 9,4% para 11,2%.

Em outro sentido, a ligeira melhora do ISA-S (+0,8%) na margem também foi disseminada entre os 12 segmentos. O quesito que mais influenciou positivamente o indicador agregado foi o volume de demanda atual, ao crescer 5,6% na margem, após recuar 8,6% em julho.

Do DCI