Qual o seu conteúdo?

Neste mundo digital, até o que é conteúdo muda rápido!

Neste mundo digital, até o que é conteúdo muda rápido!

Não é novidade para ninguém no mundo, principalmente do corporativo, de que a internet mudou e vai mudar ainda muito mais a vida, os negócios, a comunicação entre pessoas e negócios, as relações empresariais e interpessoais como um todo. A pergunta que fica é: qual o conteúdo que você oferece, ou ainda vai oferecer?

Quando falamos de conteúdo, invocamos a necessidade de pessoalmente a pessoa saber quem ela é, qual seu melhor talento, como ela se expressa e se vende ao mercado, ao mundo, entre outras coisas. Quando citamos conteúdo, também se trata de verificar no mundo corporativo se a empresa já se posiciona estrategicamente neste cenário midiático novo, no qual o seu cliente não é mais um mero recebedor de informações, promoções e coisas do gênero!

Conteúdo também pode ser analisado aqui sobre o aspecto do que sua empresa, ou você mesmo, está disponibilizando em seus sites, blogs, redes sociais. Que temas aborda, com que profundidade, qual o interesse público, ou do público? Quais formatos utiliza para que sua mensagem alcance o objetivo proposto. Aliás, você tem algum planejamento estratégico sobre tudo isso?

O fato é amigos e amigas, que neste mundo que muda a cada minuto, o conteúdo deixou de ser apenas o que você publica, com que texto, foto ou periodicidade. Mais que isso, conteúdo é a qualidade, o formato, e fundamentalmente, que o que divulgar ou vendes tenha efetivamente verdade e compromisso. Pense nisso!

* Salvador Neto é jornalista, empreendedor, coach em comunicação, marketing, liderança e carreira. Enfrentou muitas barras pesadas na vida até aqui, e continua enfrentando. Se vendendo como é. 

Fique ligado! Google muda algoritmo para priorizar internet móvel (mobile)

Empresas e empreendedores devem avançar na comunicação móvel (mobile)

Empresas e empreendedores devem avançar na comunicação móvel (mobile)

O Google atualizou o algoritmo de sua ferramenta de busca para priorizar resultados de sites adaptados à leitura e visualização em dispositivos móveis. Desta forma, quando pesquisas forem realizadas através de telefones celulares, os primeiros resultados serão os de páginas formatadas para estes aparelhos.

Tal alteração acabará por punir os sites que não foram pensados para aparelhos móveis. Especialistas da área batizaram a medida de “mobilegeddon” por causa dos efeitos apocalípticos que ela poderá ter para milhões de sites.

Nos últimos anos, o tráfego online proveniente de celulares e tablets tem aumentado em números substanciais, e a ação tomada pelo Google tem em vista essa realidade.

“À medida que mais pessoas utilizam aparelhos móveis para acessar a internet, o nosso algoritmo tem que se adaptar a esses padrões de utilização”, dizia uma declaração, postada em fevereiro, no blog da empresa.

Adaptação
Uma das consequências da mudança será que sites com texto muito pequeno para ler em telas de celulares, ou cujos links não abrem facilmente com um toque na tela, serão obrigados a se adaptar se quiserem aparecer nas primeiras páginas de resultados do Google, algo necessário para conseguir um bom número de acessos.

De acordo com o Google, a mudança não afetará pesquisas feitas a partir de tablets e desktops, apenas através de celulares. Porém, atualmente, a quantidade de tráfego gerado a partir de aparelhos móveis consiste em cerca de 50% do tráfego mundial, número que tende a crescer nos próximos anos.

Para facilitar a adaptação à medida, o Google anunciou os planos para alterar a forma como o algoritmo funciona há dois meses e postou um guia explicando como os desenvolvedores poderiam se adaptar a tempo para a mudança.

Com informações do Observatório da Imprensa

Marketing Digital: O conteúdo é rei!

Não basta estar no meio digital, tem de estar de forma profissional

Não basta estar no meio digital, tem de estar de forma profissional

Com o crescimento cada vez mais acentuado no uso da tecnologia, e da internet por excelência, fazer marketing digital se tornou fundamental para o sucesso nos negócios. Estar na rede internacional é estar vivo, ativo, participante do mundo dos negócios de forma moderna, atraente, e gerando negócios a partir de sua aldeia para um espaço mercadológico sem fronteiras. Mas não basta apenas criar um site, e estar presente em mídias sociais como Facebook, Linkedyn, YouTube e outros.

Muitas empresas pensam que entrar na rede com qualquer site, estático, feito por criadores de sites a distancia, ou mesmo em plataformas pré-concebidas, já basta. Minha vida na comunicação me diz que não, pois executei vários projetos na área. Primeiramente, é preciso planejar, como já dissemos em post anterior (clique aqui). Compreender todos os cenários, públicos, dados, relacioná-los, e aí sim, decidir quais ações e ferramentas utilizar. Senão, são tempo e dinheiro perdidos.

Mais ainda que isso, mesmo você acertando os passos de planejamento, escolhendo as mídias aonde vai estar ativo e atuante, é preciso profissionalismo na geração do conteúdo e na gestão destes meios de comunicação digitais. Há que se ter uma estratégia clara de conteúdo, e não deixar nas mãos de estagiários, ou funcionários de algum setor da empresa, a responsabilidade tanto da gestão quanto da geração do conteúdo. Erros nas mídias tradicionais já são traumáticos, imaginem na esfera digital! Um desastre completo!

Nada contra estagiários, mas o que se quer ilustrar é que o conteúdo a ser publicado e distribuído em nome da empresa tem de ser delegado a profissionais experientes, especializados, conhecedores do contexto e hábeis escritores. Escrever é algo misterioso para escritores, e algo tão sério que há profissões como jornalistas, redatores, preparados para dar sentido ao que vai ao papel ou tela, ou mídias sociais e sites. Estagiários podem sim executar, desde que monitorados por estes profissionais.

Os textos devem ser produzidos por profissionais do texto, capacitados na pesquisa, ordenamento, escrita, e sentido ao tema proposto. Além disso, de um conteúdo “rei”, é preciso o monitoramento das participações de clientes, público, fornecedores, respondendo dúvidas, gerando negócios… Portanto, antes de entrar no mundo digital, pense bem, encontre parceiros conhecedores do tema, e aí, sim entre com firmeza e profissionalismo. Aí é caminho certo para bons negócios.

* Salvador Neto é jornalista, consultor em comunicação, especialista em planejamento da comunicação, diretor da agência Salvador Neto Comunicação. É editor do Blog Palavra Livre (www.palavralivre.com.br), apresenta o programa de entrevistas Xeque Mate na TV Babitonga Canal 9 da NET Joinville (SC) (www.babitonga.tv.br) e é profissional com mais de 20 anos de atuação na comunicação em diversos setores.