Comunicação e Jornalismo – 10 filmes para estudar e saber mais

SalvadorNeto-Comunicacao-jornalismo-midia-filmesO audiovisual não é apenas produto de entretenimento, mas também de aprendizado. No jornalismo e na comunicação o audiovisual é material de trabalho, é ferramenta de produção de conteúdo e por que não, material de ensino?!

O cinema, comunicação de massa audiovisual, considerado a 7ª arte é uma excelente maneira de estudar e compreender as diversas facetas da vida. E entre elas os vários olhares da comunicação e do jornalismo. O cinema é capaz de instigar debates e reflexões. De levar através da arte vivências e experiências vindas de todos os lugares. Um poder capaz de mudar pessoas e transformar sociedades inteiras.

Baseado nisso, o Imperatriz Notícias listou dez filmes para quem quer estudar e refletir um pouco mais sobre a comunicação e o jornalismo. Uma lista elaborada pelo ex-professor da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Antônio Fabrício Evangelista, Bacharel em Comunicação Social pela Universidade Federal do Tocantins (UFT) que já lecionou disciplinas como laboratório de Telejornalismo e Cinevídeojornalismo.

 

  1. Cidadão Kane (Orson Wells, 1941) kane

Sinopse: A ascensão de um mito da imprensa americana, de garoto pobre no interior a magnata de um império dos meios de comunicação. Inspirado na vida do milionário William Randolph Hearst.

“Cidadão Kane talvez seja um dos filmes mais importantes não só do tema, mas também do cinema. Ele trabalha uma linguagem cinematográfica revolucionária para a época. O diretor Orson Wells utilizou de linguagem flashback, profundidade de campo, para fazer parte da narrativa. Ele é importante porque narra a ascensão de um grande magnata da comunicação. Ele mostra qual o poder da comunicação dentro dessa área política. É um dos primeiros filmes a tratar disso de uma forma tão clara e incisiva.”

Onde encontrar*

itunes:  $ 14.99

Submarino:  R$ 19,90

Livraria Cultura:  R$ 18,60

Ponto Frio: R$ 19,90

 

  1. Muito além do cidadão Kane (Simon Hartog, 1993)

Sinopse: Muito Além do Cidadão Kane é um documentário televisivo britânico de Simon Hartog exibido em 1993 pelo Channel 4, uma rede televisiva pública do Reino Unido. Mostra as relações entre a mídia e o poder do Brasil. O documentário apresenta depoimentos de destacadas personalidades brasileiras, como o cantor e compositor Chico Buarque de Hollanda que na época tinha um programa na emissora, os políticos Leonel Brizola e Antônio Carlos Magalhães, o ex-Ministro da Justiça Armando Falcão, o publicitário Washington Olivetto, o escritor Dias Gomes, os jornalistas Walter Clark, Armando Nogueira e Gabriel Priolli e o atual ex-presidente do Brasil Luís Inácio Lula da Silva.

“Ele é um documentário que faz uma análise e mostra o cenário da Rede Globo (sistema de televisão). É um filme que traz uma série de denúncias sobre como foi implantada a Rede Globo. E a própria influência do Roberto Marinho e da família Marinho na política brasileira. E é um filme cheio de folclore, dizem que ele é proibido no Brasil. O que de fato é difícil mesmo de encontra-lo para assistir.”

 

Onde encontrar*

Mercado Livre: R$ 15,90 à R$ 25,90

 

  1. O mercado de notícias (Jorge Furtado, 2014)

Sinopse: O filme traz os depoimentos de treze importantes jornalistas brasileiros sobre o sentido e a prática de sua profissão, as mudanças na maneira de consumir notícias, o futuro do jornalismo, e também sobre casos recentes da política brasileira, onde a cobertura da imprensa teve papel de grande destaque. O surgimento do jornalismo, no século 17, é apresentado pelo humor da peça “O Mercado de Notícias”, escrita pelo dramaturgo inglês Ben Jonson em 1625. Trechos da comédia de Jonson, montada e encenada para a produção do filme, revelam sua espantosa visão crítica, capaz de perceber na imprensa de notícias, recém-nascida, uma invenção de grande poder e grandes riscos.

“Ele usa uma peça que fala sobre essas questões da notícia. Ele faz uma comparação com a atual conjuntura das comunicações no Brasil hoje. É muito interessante para quem quer estudar jornalismo, entender a comunicação, principalmente no contexto político do Brasil.”

 

Onde encontrar*

Livraria Cultura:  R$ 39,90

 

  1. Boa noite, e boa sorte (George Clooney, 2005) boanoite

Sinopse: Edward R. Morrow (David Strathairn) é um âncora de TV que, em plena era do macarthismo, luta para mostrar em seu jornal os dois lados da questão. Para tanto ele revela as táticas e mentiras usadas pelo senador Joseph McCarthy em sua caça aos supostos comunistas. O senador, por sua vez, prefere intimidar Morrow ao invés de usar o direito de resposta por ele oferecido em seu jornal, iniciando um grande confronto público que trará consequências à recém-implantada TV nos Estados Unidos.

“Fala do contexto político na época da guerra fria e o macarthismo era a perseguição à pessoas de esquerda filiados à partidos comunistas ou qualquer pessoa que tivesse algum ideário de esquerda e se opusesse ao regime americano. O filme aborda bem a questão da censura e da liberdade de expressão dos Estados Unidos nesse período.”

Onde encontrar*

Mercado Livre: R$ 11,00 à R$ 41,89

Google Play Filmes: Em breve

 

  1. Terra em transe (Glauber Rocha, 1967)

Sinopse: O senador Porfírio Diaz (Paulo Autran) detesta seu povo e pretende tornar-se imperador de Eldorado, um país localizado na América do Sul. Porém existem diversos homens que querem este poder, que resolvem enfrentá-lo.

“Não é necessariamente um filme sobre jornalismo ou comunicação, mas ele é um filme muito importante na história do cinema brasileiro e o personagem principal do filme é um jornalista e ele está dentro de um processo que é bem parecido com o que estamos vivendo agora de um golpe. A função dele como jornalista na trama é muito importante. Bom filme.”

Onde encontrar*

Mercado Livre: R$ 15,00 à R$ 40,00

Delta Vendas: R$ 54,90

Serviço de Streaming: NOW (NET e Claro HD tv) Canal Brasil

Canal por assinatura: Brasil

  1. Medo e delírio em Las Vegas (Terry Gilliam, 1998)

Sinopse: Enviado para Las Vegas para cobrir o Mint 400, uma corrida de motos no deserto, o jornalista Dr. Thompson (Johnny Depp) e seu advogado (Benicio Del Toro) se encontram numa cidade onde somente drogas poderosas podem fazer com que as coisas sejam ligeiramente normais.

“É um filme extremamente lisérgico. É uma comédia, mas também provoca uma reflexão. É importante para o jornalismo porque acaba falando de um gênero jornalístico que realmente existe, o jornalismo gonzo ”

Onde encontrar*

Mercado Livre: R$ 10,00 à R$ 40,00

Google Play Filmes: R$ 3,90

Livraria Cultura:  R$ 29,90

 

  1. O Abutre (Dan Gilroy, 2014)

Lou Bloom (Jake Gyllenhaal) é um jovem determinado e desesperado por trabalho que descobre o mundo em alta velocidade do jornalismo sensacionalista em Los Angeles. Ao encontrar equipes de filmagem freelances à caça de acidentes, incêndios, assassinatos e outras desgraças, Lou entra no reino perigoso e predatório dos nightcrawlings – as minhocas que só saem da terra à noite.

“Esse filme é mais recente. Ele retrata bem o jornalismo policial sanguinário. Apesar de ser um thriller policial e do protagonista ser um psicopata, é uma boa reflexão sobre os limites do jornalismo”

Onde encontrar*

Itunes: $ 9,99

Mercado Livre: R$ 19,90

Saraiva:  R$ 29,90

Casas Bahia: R$ 19,90

  1. O passageiro – Profissão: Repórter (Michelangelo Antonioni , 1975)

David Locke, um jornalista televisivo, está no deserto africano preparando um documentário sobre as guerrilhas da região. Depois de ser abandonado pelo seu guia e ter seu veículo Land Rover Defender atolado na areia, ele entra em crise, se vendo cansado do trabalho, do casamento e da vida. Ele consegue voltar ao hotel e procura pelo inglês estranho Robertson, um hóspede que lhe contara um pouco da vida dele, fascinando David ao se mostrar como um viajante despreocupado.

“Uma obra do Antonioni. Já é um traço do diretor um existencialismo cinematográfico, mas nesse filme o protagonista é um repórter que decide trocar de identidade e o desenrolar da drama faz uma relação com a prática da investigação e aprofundamento de uma pesquisa. Uma fotografia maravilhosa e uma das cenas mais antológicas do cinema.”

Onde encontrar*

Mercado Livre: R$ 44,90 à 60,00

 

  1. A doce vida (Federico Fellini, 1960)

Roma, início dos anos 60. O jornalista Marcello (Marcello Mastroianni) vive entre as celebridades, ricos e fotógrafos que lotam a badalada Via Veneto. Neste mundo marcado por um vazio existencial, frequenta festas, conhece os tipos mais extravagantes e descobre um novo sentido para a vida.

“Uma das obras primas de Fellini nos bota na ótica de um jornalista sensacionalista. O filme faz um paralelo entre o jornalismo, a sociedade e a modernidade. Destaque para o jornalista cafajeste feito pelo Marcelo Mastroiani.”

Onde encontrar*

Mercado Livre: R$ 43,00 à 60,00

Walmart.com: R$ 44,90

Livrarias Curitiba: R$ 42,66

Serviço de Streaming: NOW (NET e Claro HD tv) Aluguel: R$ 5,90

 

  1. Levante sua voz (Pedro Ekman, 2009)

Vídeo produzido pelo Intervozes Coletivo Brasil de Comunicação Social com o apoio da Fundação Friedrich Ebert Stiftung remonta o curta “Ilha das Flores” de Jorge Furtado com a temática do direito à comunicação. A obra faz um retrato da concentração dos meios de comunicação existente no Brasil.

“Documentário/paródia feita pelo coletivo Intervozes que meio que atualiza o “Além do cidadão Kane.”

Onde encontrar:

Vimeo: https://vimeo.com/17039057

*Todos os valores citados nessa matéria correspondem a uma pesquisa de preços realizada em 13/01/2017. Preços e disponibilidades sujeitos à mudança.

As sinopses foram extraídas do site sobre cinema: Filmow.com.br.

Turismo cinematográfico ganha força no Brasil

SalvadorNetoComunicação-cinema-roteiros-turismocinematográficoA visibilidade conquistada com a Copa do Mundo, a boa hospitalidade do brasileiro e a diversidade de paisagens nos destinos turísticos nacionais abrem espaço para fortalecer o turismo de cinema no Brasil. A avaliação é do ministro do Turismo, Vinicius Lages, que sugeriu a construção de uma pauta específica e intersetorial, com a participação de governos locais e federal, para tratar do tema. A sugestão foi feita durante a Reunião Estadual de Turismo do Rio de Janeiro, realizada nessa quinta-feira (18) no auditório da Fecomércio, no Rio.

O encontro de gestores públicos e representantes do setor produtivo, organizado pela Secretaria de Turismo do Estado do Rio de Janeiro, contou com o representante da Rio Film Comission, Steve Slot. “Temos de unir forças para vender o Brasil como um cenário para grandes produções cinematográficas e de TV”, afirmou. Ele afirmou que a realização do Festival de Cinema do Rio de Janeiro, marcado para a próxima semana, é uma boa oportunidade para discutir o assunto.

Para o ministro Vinicius Lages, quando se fala em turismo cinematográfico, devemos lembrar que trata-se de um público extremamente qualificado, que se bem tratado tem um poder incrível de divulgar os destinos turísticos. “Imagina um ator de Hollywood renomado falando bem de uma cidade brasileira”, disse. O Ministério do Turismo elaborou uma cartilha que explica o tema turismo cinematográfico.

Sede de um dos principais polos cinematográficos do Brasil, o Rio de Janeiro serve de cenário para o terceiro filme da série Cidades Que Eu Amo. Depois de Paris e Nova Iorque, a capital carioca abrigou 11 diretores de sete nacionalidades reconhecidos mundialmente que retratam os encantos do Rio por meio de personagens de diversas áreas da cidade.

Dados da Agência Nacional de Cinema (Ancine) mostram que o setor audiovisual movimenta mais de R$ 16 bilhões por ano. De acordo com um estudo do Ministério do Turismo, a adoção de uma política pública integrada entre as produções de cinema e o turismo reforça a divulgação do País.

O Brasil no telão

Entre os cenários brasileiros eternizados nas telas de cinema estão a praia de Jericoacoara (CE – A Ostra e o Vento), o município de Cabaceiras (PB) – apelidado de “Roliúde Nordestina”, após abrigar as filmagens de “O Auto da Compadecida”, e o município de Morro Branco (CE), cujas paisagens ficaram famosas nas novelas “Tropicaliente” e “Final Feliz”.

Em Palmas (TO), o circuito turístico “Nas trilhas do cinema” percorre locais de filmagens de produções como o reality show americano “Survivor Tocantins”, os filmes “Deus é brasileiro”,  “Xingu” e da novela “Araguaia”. De acordo com Márcio Turcato, proprietário de uma agência que atua no circuito, a relação entre turismo e produção audiovisual é mutuamente benéfica. “Depois que criamos o primeiro roteiro, a região ficou mais conhecida e passou a atrair novas produções”, diz.

A capital federal, Brasília (DF), também se consolidou como polo desse segmento turístico graças aos lançamentos “Somos tão jovens”, “Faroeste Caboclo” e “Rock Brasília – Era de Ouro”. Está previsto o início das filmagens de “O filme da minha vida”, dirigido por Selton Mello, no sul do País. A equipe de filmagens tem pesquisado cenários em cidades da Serra Gaúcha como Garibaldi, Farroupilha, Cotiporã e Bento Gonçalves. As locações serão ambientadas nos anos 1960.

O turismo cinematográfico é praticado em vários lugares do mundo. Os atrativos variam de visitas aos sets de filmagem a cenários montados pelas produções audiovisuais. Alguns destinos reconhecidos são Escócia (Coração Valente), Nova Zelândia (Senhor dos Anéis) e Romênia (Drácula). Nesses lugares, as visitas movimentam a cadeia econômica do turismo, desde a hospedagem até a alimentação.