Qual o seu conteúdo?

Neste mundo digital, até o que é conteúdo muda rápido!

Neste mundo digital, até o que é conteúdo muda rápido!

Não é novidade para ninguém no mundo, principalmente do corporativo, de que a internet mudou e vai mudar ainda muito mais a vida, os negócios, a comunicação entre pessoas e negócios, as relações empresariais e interpessoais como um todo. A pergunta que fica é: qual o conteúdo que você oferece, ou ainda vai oferecer?

Quando falamos de conteúdo, invocamos a necessidade de pessoalmente a pessoa saber quem ela é, qual seu melhor talento, como ela se expressa e se vende ao mercado, ao mundo, entre outras coisas. Quando citamos conteúdo, também se trata de verificar no mundo corporativo se a empresa já se posiciona estrategicamente neste cenário midiático novo, no qual o seu cliente não é mais um mero recebedor de informações, promoções e coisas do gênero!

Conteúdo também pode ser analisado aqui sobre o aspecto do que sua empresa, ou você mesmo, está disponibilizando em seus sites, blogs, redes sociais. Que temas aborda, com que profundidade, qual o interesse público, ou do público? Quais formatos utiliza para que sua mensagem alcance o objetivo proposto. Aliás, você tem algum planejamento estratégico sobre tudo isso?

O fato é amigos e amigas, que neste mundo que muda a cada minuto, o conteúdo deixou de ser apenas o que você publica, com que texto, foto ou periodicidade. Mais que isso, conteúdo é a qualidade, o formato, e fundamentalmente, que o que divulgar ou vendes tenha efetivamente verdade e compromisso. Pense nisso!

* Salvador Neto é jornalista, empreendedor, coach em comunicação, marketing, liderança e carreira. Enfrentou muitas barras pesadas na vida até aqui, e continua enfrentando. Se vendendo como é. 

O importante é saber se vender…

Não seja o que o "mercado quer", e sim quem você é de fato

Não seja o que o “mercado quer”, e sim quem você é de fato

Não, não é nada disso que você pode estar pensando não… Nada a ver com as falcatruas e roubos em Brasília e país afora, mas tudo a ver com a sua carreira, seu sucesso, seu futuro e bem estar. Saber se vender, ou melhor, venda-se, deveria ser matéria obrigatória desde que o ser humano se entende como gente.

Como sempre disse em minha já longa carreira, em palestras, treinamentos e eventos, o problema do mundo está na comunicação. Nos comunicamos mal, ou então comunicamos mal e mentirosamente, o que acarreta danos imensuráveis à vida de milhares de pessoas em guerras idiotas, ou à sua carreira. Tudo gira em torno da comunicação, pense nisso.

Vamos ao ponto. Além da comunicação – é sabido que a timidez, o medo de falar em público, de expor ideias, dificulta muito a vida desde a escola, em família, no mundo do trabalho não é? – a necessidade de se “transformar” em alguém que o mercado, a família, o cargo, etc, etc, aceitem são inibidores do real sucesso que é estar bem consigo mesmo. Desestressado. Sendo você mesmo, e sendo aceito.

Defendo sempre que cada ser humano seja ensinado a se valorizar. Conhecer-se muito bem a si mesmo, com seus defeitos, virtudes, talentos, saber o que tem de melhor e de pior. Com base nisso, compreender que sua formação profissional deve seguir esse diagnóstico de vida, de si mesmo. Tenha a certeza, sua vida será mais leve. Sem máscaras profissionais, familiares. Você sendo você, e se colocando no mundo nas áreas em que seja bem vindo, requerido, e ao final, respeitado.

Ao se conhecer profundamente, o ser humano saberá se vender melhor, e terá extrema segurança de se mostrar para os cargos que quiser. Terá mais facilidade em encarar seus medos, e sentirá poder suficiente para conquistar seu espaço. Nada é pior que se vender como aquilo que não é, ou que tal vaga ou nicho precise, sem que você tenha aptidões, conheça, goste ou seja preparado para tal. A vida lhe cobrará isso, principalmente em sua saúde.

Venda-se como você é. Conheça-se muito bem a si próprio. Capacite-se no que desejar fazer e sentir-se feliz em fazer. Assim, contribuirá para a sua vida ser a melhor possível, será feliz, e certamente, dará ótimos resultados às empresas, oportunidades de trabalho e renda, e até para a sua família e relações afetivas. Pense nisso!

* Salvador Neto é jornalista, empreendedor, coach em comunicação, marketing, liderança e carreira. Enfrentou muitas barras pesadas na vida até aqui, e continua enfrentando. Se vendendo como é. 

Marketing Digital – Empresas esperam crescimento de 30% no setor

estrategia-de-marketing-digital-no-comercio-eletronicoO marketing digital ganhou popularidade em 2016 com pequenas, médias e grandes empresas firmando presença online e promovendo serviços e produtos por meio de vários canais digitais, tais como: mídias sociais, websites e afins. Hoje, o marketing está dando lugar a formas mais inteligentes de comunicação, que se baseiam na entrega com qualidade , ao invés de apenas produtos ou serviços.

“O ano de 2016 foi agitado para o meio digital. Podemos destacar a aquisição do LinkedIn por U$ 26 bi pela Microsoft, o Pokemon Go que se tornou o game mais jogado dos EUA em uma semana, e no e-commerce, a Alibaba anunciou um faturamento de U$ 14,3 bi em apenas 24 horas no Single’s Day, data comemorativa na China. No Brasil, a Black Friday cresceu 17%, segundo a Ebit, e empresas de automação de marketing receberam investimentos na casa dos R$ 60 milhões”, explica Daniel Cardoso, especialista em e-commerce e Marketing Digital da Impacta Treinamentos.

Para Cardoso, a mídia programática está deixando de ser exclusiva dos grandes anunciantes e passa a entrar no orçamento das empresas de médio porte. “As companhias começam a entender e a utilizar mais atendimentos por Bots, que permitem, por exemplo, que um cliente de banco consulte seu saldo por meio do Facebook”.

Incerteza econômica e marketplaces são desafios
A Crise econômica tem sido um grande obstáculo para o setor e possivelmente continuará sendo em 2017. De acordo com Vinicius, um grande problema a ser resolvido pelos varejistas online é o crescimento dos marketplaces.

“Algumas lojas virtuais decidiram focar quase 100% dos esforços neste modelo de divulgação, visando aumentar as vendas. Obviamente, os marketplaces são importantes e essenciais para as lojas virtuais. Contudo, com a consolidação e o aumento de concorrentes nos grandes portais brasileiros, os varejistas perceberam que é importante também vender por outros canais em seu próprio site, onde muitas vezes é possível vender mais barato, especialmente usando o e-mail marketing”.

Já Daniel acredita que o maior obstáculo é a incerteza dos empresários que aguardam uma maior estabilização do cenário macroeconômico. “Para 2017 apesar do ritmo lento do crescimento da economia, as empresas precisam ser ágeis em busca do melhor retorno de mídia, o que é positivo para o Marketing Digital, bastante efetivo e mensurável”.

Setor espera ano promissor
Em 2017 o marketing digital deve avançar em busca de personalização da comunicação. “As empresas que se dedicam a estudar e mapear detalhadamente quem é o seu cliente ideal – a persona – saem na frente para estabelecer uma comunicação mais eficiente. Na Mailbiz, trabalhamos focados em ajudar cada cliente a se comunicar melhor com o seu público, para colher como resultado maior engajamento e volume de vendas. Pretendemos crescer 75% em 2017 no que se refere à base de clientes”, afirma Vinicius.

O atual cenário econômico aumentou a procura por capacitação no setor. Daniel conta que a Impacta registrou um crescimento de 40% nos cursos de Marketing de Conteúdo e de Mídias Sociais.

“Esperamos que o crescimento se mantenha. Temos a intenção de ampliar nossa gama de cursos para melhor atender a demanda de mercado”. O CEO da Pílula Criativa também vislumbra melhoras para o futuro. “Pretendemos crescer 30% em 2017, e aumentar nosso leque de ofertas, tornando a agência ainda mais completa”, conclui Thiago.

Com informações do Dino

Comunicação e Jornalismo – 10 filmes para estudar e saber mais

SalvadorNeto-Comunicacao-jornalismo-midia-filmesO audiovisual não é apenas produto de entretenimento, mas também de aprendizado. No jornalismo e na comunicação o audiovisual é material de trabalho, é ferramenta de produção de conteúdo e por que não, material de ensino?!

O cinema, comunicação de massa audiovisual, considerado a 7ª arte é uma excelente maneira de estudar e compreender as diversas facetas da vida. E entre elas os vários olhares da comunicação e do jornalismo. O cinema é capaz de instigar debates e reflexões. De levar através da arte vivências e experiências vindas de todos os lugares. Um poder capaz de mudar pessoas e transformar sociedades inteiras.

Baseado nisso, o Imperatriz Notícias listou dez filmes para quem quer estudar e refletir um pouco mais sobre a comunicação e o jornalismo. Uma lista elaborada pelo ex-professor da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Antônio Fabrício Evangelista, Bacharel em Comunicação Social pela Universidade Federal do Tocantins (UFT) que já lecionou disciplinas como laboratório de Telejornalismo e Cinevídeojornalismo.

 

  1. Cidadão Kane (Orson Wells, 1941) kane

Sinopse: A ascensão de um mito da imprensa americana, de garoto pobre no interior a magnata de um império dos meios de comunicação. Inspirado na vida do milionário William Randolph Hearst.

“Cidadão Kane talvez seja um dos filmes mais importantes não só do tema, mas também do cinema. Ele trabalha uma linguagem cinematográfica revolucionária para a época. O diretor Orson Wells utilizou de linguagem flashback, profundidade de campo, para fazer parte da narrativa. Ele é importante porque narra a ascensão de um grande magnata da comunicação. Ele mostra qual o poder da comunicação dentro dessa área política. É um dos primeiros filmes a tratar disso de uma forma tão clara e incisiva.”

Onde encontrar*

itunes:  $ 14.99

Submarino:  R$ 19,90

Livraria Cultura:  R$ 18,60

Ponto Frio: R$ 19,90

 

  1. Muito além do cidadão Kane (Simon Hartog, 1993)

Sinopse: Muito Além do Cidadão Kane é um documentário televisivo britânico de Simon Hartog exibido em 1993 pelo Channel 4, uma rede televisiva pública do Reino Unido. Mostra as relações entre a mídia e o poder do Brasil. O documentário apresenta depoimentos de destacadas personalidades brasileiras, como o cantor e compositor Chico Buarque de Hollanda que na época tinha um programa na emissora, os políticos Leonel Brizola e Antônio Carlos Magalhães, o ex-Ministro da Justiça Armando Falcão, o publicitário Washington Olivetto, o escritor Dias Gomes, os jornalistas Walter Clark, Armando Nogueira e Gabriel Priolli e o atual ex-presidente do Brasil Luís Inácio Lula da Silva.

“Ele é um documentário que faz uma análise e mostra o cenário da Rede Globo (sistema de televisão). É um filme que traz uma série de denúncias sobre como foi implantada a Rede Globo. E a própria influência do Roberto Marinho e da família Marinho na política brasileira. E é um filme cheio de folclore, dizem que ele é proibido no Brasil. O que de fato é difícil mesmo de encontra-lo para assistir.”

 

Onde encontrar*

Mercado Livre: R$ 15,90 à R$ 25,90

 

  1. O mercado de notícias (Jorge Furtado, 2014)

Sinopse: O filme traz os depoimentos de treze importantes jornalistas brasileiros sobre o sentido e a prática de sua profissão, as mudanças na maneira de consumir notícias, o futuro do jornalismo, e também sobre casos recentes da política brasileira, onde a cobertura da imprensa teve papel de grande destaque. O surgimento do jornalismo, no século 17, é apresentado pelo humor da peça “O Mercado de Notícias”, escrita pelo dramaturgo inglês Ben Jonson em 1625. Trechos da comédia de Jonson, montada e encenada para a produção do filme, revelam sua espantosa visão crítica, capaz de perceber na imprensa de notícias, recém-nascida, uma invenção de grande poder e grandes riscos.

“Ele usa uma peça que fala sobre essas questões da notícia. Ele faz uma comparação com a atual conjuntura das comunicações no Brasil hoje. É muito interessante para quem quer estudar jornalismo, entender a comunicação, principalmente no contexto político do Brasil.”

 

Onde encontrar*

Livraria Cultura:  R$ 39,90

 

  1. Boa noite, e boa sorte (George Clooney, 2005) boanoite

Sinopse: Edward R. Morrow (David Strathairn) é um âncora de TV que, em plena era do macarthismo, luta para mostrar em seu jornal os dois lados da questão. Para tanto ele revela as táticas e mentiras usadas pelo senador Joseph McCarthy em sua caça aos supostos comunistas. O senador, por sua vez, prefere intimidar Morrow ao invés de usar o direito de resposta por ele oferecido em seu jornal, iniciando um grande confronto público que trará consequências à recém-implantada TV nos Estados Unidos.

“Fala do contexto político na época da guerra fria e o macarthismo era a perseguição à pessoas de esquerda filiados à partidos comunistas ou qualquer pessoa que tivesse algum ideário de esquerda e se opusesse ao regime americano. O filme aborda bem a questão da censura e da liberdade de expressão dos Estados Unidos nesse período.”

Onde encontrar*

Mercado Livre: R$ 11,00 à R$ 41,89

Google Play Filmes: Em breve

 

  1. Terra em transe (Glauber Rocha, 1967)

Sinopse: O senador Porfírio Diaz (Paulo Autran) detesta seu povo e pretende tornar-se imperador de Eldorado, um país localizado na América do Sul. Porém existem diversos homens que querem este poder, que resolvem enfrentá-lo.

“Não é necessariamente um filme sobre jornalismo ou comunicação, mas ele é um filme muito importante na história do cinema brasileiro e o personagem principal do filme é um jornalista e ele está dentro de um processo que é bem parecido com o que estamos vivendo agora de um golpe. A função dele como jornalista na trama é muito importante. Bom filme.”

Onde encontrar*

Mercado Livre: R$ 15,00 à R$ 40,00

Delta Vendas: R$ 54,90

Serviço de Streaming: NOW (NET e Claro HD tv) Canal Brasil

Canal por assinatura: Brasil

  1. Medo e delírio em Las Vegas (Terry Gilliam, 1998)

Sinopse: Enviado para Las Vegas para cobrir o Mint 400, uma corrida de motos no deserto, o jornalista Dr. Thompson (Johnny Depp) e seu advogado (Benicio Del Toro) se encontram numa cidade onde somente drogas poderosas podem fazer com que as coisas sejam ligeiramente normais.

“É um filme extremamente lisérgico. É uma comédia, mas também provoca uma reflexão. É importante para o jornalismo porque acaba falando de um gênero jornalístico que realmente existe, o jornalismo gonzo ”

Onde encontrar*

Mercado Livre: R$ 10,00 à R$ 40,00

Google Play Filmes: R$ 3,90

Livraria Cultura:  R$ 29,90

 

  1. O Abutre (Dan Gilroy, 2014)

Lou Bloom (Jake Gyllenhaal) é um jovem determinado e desesperado por trabalho que descobre o mundo em alta velocidade do jornalismo sensacionalista em Los Angeles. Ao encontrar equipes de filmagem freelances à caça de acidentes, incêndios, assassinatos e outras desgraças, Lou entra no reino perigoso e predatório dos nightcrawlings – as minhocas que só saem da terra à noite.

“Esse filme é mais recente. Ele retrata bem o jornalismo policial sanguinário. Apesar de ser um thriller policial e do protagonista ser um psicopata, é uma boa reflexão sobre os limites do jornalismo”

Onde encontrar*

Itunes: $ 9,99

Mercado Livre: R$ 19,90

Saraiva:  R$ 29,90

Casas Bahia: R$ 19,90

  1. O passageiro – Profissão: Repórter (Michelangelo Antonioni , 1975)

David Locke, um jornalista televisivo, está no deserto africano preparando um documentário sobre as guerrilhas da região. Depois de ser abandonado pelo seu guia e ter seu veículo Land Rover Defender atolado na areia, ele entra em crise, se vendo cansado do trabalho, do casamento e da vida. Ele consegue voltar ao hotel e procura pelo inglês estranho Robertson, um hóspede que lhe contara um pouco da vida dele, fascinando David ao se mostrar como um viajante despreocupado.

“Uma obra do Antonioni. Já é um traço do diretor um existencialismo cinematográfico, mas nesse filme o protagonista é um repórter que decide trocar de identidade e o desenrolar da drama faz uma relação com a prática da investigação e aprofundamento de uma pesquisa. Uma fotografia maravilhosa e uma das cenas mais antológicas do cinema.”

Onde encontrar*

Mercado Livre: R$ 44,90 à 60,00

 

  1. A doce vida (Federico Fellini, 1960)

Roma, início dos anos 60. O jornalista Marcello (Marcello Mastroianni) vive entre as celebridades, ricos e fotógrafos que lotam a badalada Via Veneto. Neste mundo marcado por um vazio existencial, frequenta festas, conhece os tipos mais extravagantes e descobre um novo sentido para a vida.

“Uma das obras primas de Fellini nos bota na ótica de um jornalista sensacionalista. O filme faz um paralelo entre o jornalismo, a sociedade e a modernidade. Destaque para o jornalista cafajeste feito pelo Marcelo Mastroiani.”

Onde encontrar*

Mercado Livre: R$ 43,00 à 60,00

Walmart.com: R$ 44,90

Livrarias Curitiba: R$ 42,66

Serviço de Streaming: NOW (NET e Claro HD tv) Aluguel: R$ 5,90

 

  1. Levante sua voz (Pedro Ekman, 2009)

Vídeo produzido pelo Intervozes Coletivo Brasil de Comunicação Social com o apoio da Fundação Friedrich Ebert Stiftung remonta o curta “Ilha das Flores” de Jorge Furtado com a temática do direito à comunicação. A obra faz um retrato da concentração dos meios de comunicação existente no Brasil.

“Documentário/paródia feita pelo coletivo Intervozes que meio que atualiza o “Além do cidadão Kane.”

Onde encontrar:

Vimeo: https://vimeo.com/17039057

*Todos os valores citados nessa matéria correspondem a uma pesquisa de preços realizada em 13/01/2017. Preços e disponibilidades sujeitos à mudança.

As sinopses foram extraídas do site sobre cinema: Filmow.com.br.

A carreira vai mal, quer mudar? O coaching de carreira pode ajudar muito

SalvadorNeto-Comunicacao-o-que-e-coaching-e-o-que-ele-pode-fazer-por-sua-carreiraO Coaching de carreira é a profissão que tem como principal objetivo auxiliar pessoas que estão no processo de mudança em suas carreiras. Um coach ajuda profissionais a identificarem com clareza o que almejam no mercado de trabalho e, através disso, criam e desenvolvem estratégicas para chegar as mesas.

O Coaching é indicado para profissionais que desejam um redirecionamento em suas carreiras, alinhando vida profissional e pessoal, equilibrando-as de acordo com suas prioridades.

O coach pode trabalhar com pessoas físicas ou empresas, e tem sido de extrema importância no mercado de trabalho, sendo que em dois anos a procura por coachings cresceu cerca de 400%. Sua atuação ocorre através de encontros, onde o coachee irá expor seus problemas e suas preferências em sua vida profissional.

A cada sessão o cliente recebe um plano de metas, as quais deverão ser cumpridas até o próximo encontro. Cumpridas as metas, coach e coachee voltam a se encontrar e estabelecem quais serão as próximas metas, além de analisar o quanto o objetivo do profissional foi atingido.

Quando o coachee inicia um processo, ele deverá ter em mente quais os seus objetivos e suas preferências profissionais. Encontrar um rumo profissional, ascender na carreira, melhorar o relacionamento interpessoal e ter habilidades para liderar grandes equipes são as necessidades mais comuns de um profissional que inicia um processo de coaching.

Este processo é dividido em etapas, como já foi dito anteriormente, onde o profissional é auxiliado por um coach a desenvolver habilidades comportamentais e técnicas para atingir o resultado pretendido. O mesmo é levado a lidar com seus medos, o coachee passará a realizar atividades que antes julgava impossíveis.

Porém, o coaching se difere de técnicas da psicologia. Ele não lida com traumas ou problemas passados. Seu foco é solucionar o problema do profissional, sempre utilizando aprendizados anteriores para lidar com problemas futuros.

Com a grande competição do mercado de trabalho, o coaching de carreira tem se tornado essencial para muitos profissionais, oferecendo um apoio fundamental aos mesmos, auxiliando na forma de definir assertivamente suas metas e seus objetivos profissionais e, com isso, traçando estratégias para alcançar os objetivos traçados, em um curto espaço de tempo.

Fazer um coaching de carreira poderá auxiliar o profissional a definir claramente quais são as metas almejadas pelo mesmo. Sempre amparado por um coach, o coachee terá uma visão mais clara de quais obstáculos irá enfrentar, e saberá como lidar com os mesmos.

Também terá um fortalecimento da sua auto-estima e de sua confiança, adotando uma postura diferenciada com relação a liderança de equipes, com habilidades para se comunicar e tomar decisões. Por isso, o coaching de carreira tem se tornado essencial para muitos profissionais e empresas.

Nossa agência pode oferecer serviços de coaching de carreira com um dos profissionais mais reconhecidos e experientes do mercado, o jornalista e coach Salvador Neto. Sua larga e longa experiência em vários trabalhos, e na vida real, ajudou e ajuda vários profissionais a melhorarem suas carreiras.

Faça contato via imprensa@salvadorneto.com.br, ou ainda pelo fone (47) 88592204. O atendimento pode ser feito à distância por meio das ferramentas digitais.

Com informações do Guia da Carreira

A importância do Marco Civil da Internet

marco-internetO segredo do sucesso para algo funcionar bem e de maneira equilibrada, via de regra, está na maneira como se conduz esse algo. Se deixar à vontade não é uma boa medida, o contrário, certamente, também não será. O meio termo ajuda, dando um norte, especialmente quando o “algo” tem nome e sobrenome: a rede mundial de computadores, a internet.

Com o crescimento assustador de usuários no Brasil a cada dia, estabelecer direitos e deveres, ter normas claras, e que garantam a segurança de todos os envolvidos, se tornou condição mais que necessária. Se será um marco para a afirmação dos direitos, ainda não se sabe. Mas o Marco Civil da Internet é uma lei tão necessária quanto mal compreendida. Assim, vamos entender um pouco mais, e melhor, a Lei nº 12.965/2014, que traz regras de uso da rede.

Nesse sentido, importante destacar que são vários os objetivos da nova lei, dentre eles, que a internet não seja utilizada para a prática de crimes, conferindo assim maior segurança no ciberespaço. E, mesmo que o governo se torne uma espécie de administrador dessa rede, não parece, num primeiro momento, que a censura à liberdade de expressão será colocada em prática, mas é sempre bom ficar atento a isso.

Os consumidores e/ou usuários brasileiros da grande rede mundial terão alguns direitos, tais como: a não suspensão da conexão, salvo em decorrência de não pagamento; a manutenção da qualidade da conexão contratada; o sigilo de suas comunicações; e a garantia de os provedores não poderem armazenar informações sobre o usuário, apenas em relação ao IP, dentre outros.

No que diz respeito ao conteúdo publicado, como não poderia deixar de ser, a lei responsabiliza o próprio usuário pela divulgação, ao passo que quem efetivamente administra os sites só será responsabilizado caso não atenda, em tempo hábil, as decisões judiciais no sentido de retirar do ar o conteúdo considerado inapropriado, gerado pelo usuário.

Enfim, a aprovação – e a regulamentação – desta lei é considerada um avanço para o Brasil. E, segundo concordam os maiores especialistas no assunto, o país assumirá papel de liderança mundial no que diz respeito à regulação do uso da internet.

* Artigo escrito por Marcos Bisi no Comunique-se, ele que é responsável pelo Departamento Jurídico da SIL, fabricante brasileira de fios e cabos destinados às instalações elétricas com tensões até 1kV (baixa tensão).

Aplicativo pode avisar sobre desastres naturais em tempo real

SalvadorNeto-Comunicacao-aplicativo-avisa-desastre-tempo-real-inovacaoO Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer (CTI/MCTI), em parceria com a Fundação de Apoio à Capacitação em Tecnologias da Informação (Facti), desenvolveu um aplicativo para notificação em tempo real de avisos de desastres naturais.

Em fase de aceitação, o instrumento permite que usuários se cadastrem no Sistema de Disseminação de Avisos (SDA) e obtenham informações em relação a índices pluviométricos precursores de desastres naturais. Foi desenvolvido pela Divisão de Tecnologias de Rede do CTI.

A ferramenta tem o propósito de notificar usuários, de forma georreferenciada, sobre os possíveis perigos iminentes em sua localização. O SDA utiliza fontes de informações diversas – como a base de dados do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden/MCTI) – para detectar situações adversas, tais como inundações, chuvas intensas, secas e deslizamentos de terra. Dessa forma, o SDA busca por usuários cadastrados que estejam localizados na área afetada ou nas imediações e envia avisos por meio de SMS.

O SDA opera de forma automatizada em regime 24/7 (24 horas por dia, sete dias por semana). Foi inicialmente criado para monitorar equipamentos e informações relacionadas a desastres naturais. Contudo, pode também ser acionado por outros agentes monitores (como por exemplo, polícia, bombeiros, membros da casa civil), para que estes enviem alertas para determinados usuários e/ou regiões.

O objetivo é agilizar a distribuição das informações e atuar como canal de comunicação para que seja possível mitigar perdas humanas e materiais em casos de situações adversas. O SDA está aguardando processos administrativos para ser implementado. Um exemplar demonstrativo está disponível online.

Fonte: CTI Renato Archer

Publicidade: Projeto prevê limite para gastos públicos na área

SalvadorNeto-Comunicacao-propaganda-publicidade-publica-dinheiro-publico-projeto-de-leiSerá analisado pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) projeto que estabelece tetos para os gastos públicos com publicidade e propaganda. A proposta (PLS 785/2015- Complementar) é do senador Paulo Paim (PT-RS) e a determinação deve passar a fazer parte da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Pelo texto, os gastos com publicidade oficial ficariam limitados a uma fração da receita corrente líquida: 0,1% para a União e 1% para estados, Distrito Federal e municípios. Ficam excluídas dessa limitação as propagandas eleitorais e as instruções do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para os pleitos. O projeto também prevê que o teto pode ser excedido em casos de calamidade pública, estado de defesa ou estado de sítio, para informar a população sobre a situação.

As mudanças passariam a compor uma nova seção dentro do capítulo da LRF que estabelece regras sobre a despesa pública (Capítulo IV). Atualmente, essa parte trata da geração da despesa e dos gastos com pessoal e seguridade social.

Paim argumenta que as relações dos governos com agências de publicidade constituem um “universo escabroso”, onde não há transparência das despesas nem critérios objetivos para a escolha das prestadoras de serviço.

Além disso, ele acredita que o atual modelo de definição de gastos com publicidade e propaganda oficiais, pelas Leis Orçamentárias Anuais (LOAs), é muito sujeito a pressões políticas e a aumentos descontrolados. Por isso, defende a inclusão de uma limitação na LRF, que teria caráter mais permanente e seguro.

Com informações da Ag. Senado

Descubra o que é “storytelling”

Crie a narrativa e deixe seus clientes encantados

Crie a narrativa e deixe seus clientes encantados

O consumidor navega na internet e é impactado pelos anúncios que pipocam na tela. Na TV, há comerciais antes, durante e depois de cada programa. No rádio, na rua, pelo celular ou via correio, as informações chegam a todo o momento. Nesse cenário caótico, é possível engajar o cliente de forma genuína, conquistando sua atenção? Descubra o que é storytelling e encontre a resposta.

Neste artigo, você vai descobrir como implementar essa técnica para impulsionar as campanhas de marketing e comunicação da sua empresa. Preparado? Então senta que lá vem história. Encantar e engajar os consumidores são os principais objetivos das empresas que aderem ao storytelling.

O que é storytelling
Como explica Marcília Urcini, líder de Engajamento para Marketing na Edelman Significa, a filial sul-americana da maior agência de relações públicas do mundo, o storytelling é definido como a capacidade de contar uma história.

“As pessoas fazem isso o tempo todo, e a verdade é que ele se tornou uma importante ferramenta para que as marcas possam se conectar com os seus consumidores de maneira mais eficaz”, explica.

Quando a informação se torna abundante, os consumidores ficam anestesiados : pouca coisa é impactante a ponto de comovê-los. É justamente aí que reside o diferencial do storytelling. “Contar uma história única e real é algo envolvente, que cria proximidade, simpatia, identificação e conexão”, argumenta Marcília.

A especialista aponta que a dificuldade de engajamento cria problemas para a construção da identidade da marca, e pode ser verificada em pesquisas com consumidores. “Os resultados da última edição do brandshare™ , estudo global da Edelman com foco em consumo, mostraram que as marcas não estão conseguindo criar relações mutuamente benéficas com seus públicos”, revela.

Dois terços dos participantes do estudo acreditam que os relacionamentos com as marcas são unilaterais e de valor limitado . Além disso, para 70% dos consumidores, a única razão pela qual as marcas buscam o relacionamento é aumentar o próprio lucro.

“Isso nos mostra que as pessoas querem, cada vez mais, uma troca de valor efetiva , que requer comprometimento por parte das marcas”, analisa Marcília. A conclusão é de que as empresas devem ter mensagens claras e precisam se manter abertas aos diálogos, já que, segundo ela, o consumidor deseja ser co-autor das histórias.

Um dos melhores exemplos para ilustrar essa forma de interação foi a campanha realizada pela Lego em 2012. Para encantar seus clientes e celebrar seu 80º aniversário, a empresa criou uma animação para contar a origem do brinquedo e abordar as tentativas, erros e acertos da família Christianse.

Como apostar no storytelling
Listamos, a seguir, algumas ideias para você implantar o storytelling na estratégia de marketing da sua empresa. Confira:

– Atenção aos clientes
Aprenda com as histórias dos seus clientes e utilize-as, na medida do possível, para ilustrar a sua campanha de comunicação. Se você conseguir mostrar de que forma a sua empresa impacta a vida dos consumidores , ficará mais fácil atrair novos fãs.

– Direcione o conteúdo para o público-alvo
Quem é seu público-alvo? É ele que delimitará a linguagem e abordagem das suas histórias. Ao descobrir os problemas e as necessidades das pessoas que você pretende atingir, você consegue construir uma narrativa orientada.

– Seja coerente
Os consumidores recorrem a diversas fontes de informação para formar sua opinião, por isso é preciso contar a mesma história em todas elas. “É fundamental que a marca construa uma narrativa coerente, com mensagens consistentes nos diferentes meios de comunicação (mídia tradicional, híbrida, canais sociais e proprietários)”, aponta Marcília Urcini, da Edelman Significa.

Isso é especialmente importante porque, caso contrário, sua empresa perde credibilidade . “Os riscos que envolvem uma história que não existe são os de abalar a reputação, criar distanciamento e impactar negativamente uma relação que estava sendo estabelecida de forma emocional”, esclarece Marcília.

– Assuma a iniciativa
Para finalizar, a especialista afirma que é fundamental dar o exemplo e transformar o discurso em ações . “Para manter relações vivas, a marca deve compartilhar propósitos, valores e atitudes reais. Ela precisa ser e agir antes de comunicar. As pessoas esperam relevância, afetividade e verdade nessa troca”, explica.

Com informações do Terra.

A primeira tela é o seu lugar, está preparado?

Salvador-Neto-Comunicacao-artigo-linkedyn-primeira-tela-smartphone-marketingEmpresas e personalidades, grandes marcas, empreendedores de todos os segmentos, ainda investem milhares de reais e dólares – em alguns casos milhões – em publicidade, propaganda, exposição de marca ou conteúdo na TV, rádios, jornais, e claro, na internet em diversos sites, portais e outros.

Logicamente que a TV é um meio poderoso de comunicação da sua marca e negócio, mas você sabia que já há algum tempo, o tempo gasto em dispositivos móveis ultrapassou o tempo gasto com televisão?  Há estudos permanentes sobre a recepção das mensagens, e agora, a primeira tela é a do celular. Pelo menos é isso o que mostra um estudo da AdReaction, realizado pela Millward Brown.

Tem mais ainda! Você sabia que os brasileiros gastam em média 149 minutos no smartphone, contra 113 minutos em frente à televisão? Que os americanos dispensam 151 minutos no dispositivo móvel e 147 em frente à TV, e os chineses ficam 170 minutos nos aparelhos móveis e quase a metade do tempo na tradicional tela da TV? A pesquisa foi feita com mais de 12 mil donos de smartphones, entre 16 e 44 anos, de mais de 30 países diferentes (2014).

A pesquisa oferece outros dados importantes, como por exemplo que no Brasil, 61% das pessoas aceitam anúncios na TV, 38% aprova publicidade em conteúdo para computadores e apenas 29% dos usuários aceita publicidade para dispositivos móveis. Os índices de atenção seguem esse padrão, com 86% afirmam que prestam atenção em anúncios na TV, contra 63% nos dispositivos móveis, 53% em smartphones e 54% em tablets.

Mas o fundamental, em se tratando de boa presença digital é que os usuários em geral aceitam vídeos curtos, abrindo uma oportunidade para as empresas investirem em estratégias mobile, um meio que fica 24 horas grudado a seu usuário e já se tornou parte de sua vida. A população está conectada todos os dias, o dia inteiro, ao celular. E você, ainda está no site estático, sem interatividade com seu leitor, consumidor, cliente?

Se você e sua empresa já estão preparados com um site estratégicamente construído para rodar em meios móveis, está no caminho certo. Se ainda não colocou sua empresa neste patamar, corra porque a concorrência já está lá e não terá pena de você. Muito menos seus clientes, que já ao acordar encontram à sua frente a primeira tela, a do celular, tablets e afins.

Os profissionais de marketing digital e agências digitais tem todo o aparato tecnológico para apoiar sua presença na primeira tela. Detalhes sobre como, quanto e como você deve definir em um planejamento estratégico de comunicação que preveja essa e outras ações de acordo com seus produtos, serviços e conteúdos.

Posicione-se já, de forma pensada e planejada. Caso contrário, você pode perder espaços significativos neste mercado em constante mutação e modernidade. Conte conosco. (Com informações do Meio&Mensagem).

* Escrito por Salvador Neto, jornalista, cronista, consultor e diretor da Salvador Neto Comunicação e Marketing.